19.5 C
Piauí
22 de julho de 2019
Cidades em Foco
Geral Internacional

Adesão do PSL inviabiliza nosso apoio a Maia, diz presidente do PSB

Partido com a sétima maior bancada da Câmara, com 32 deputados, o PSB definiu nesta quinta-feira (10) que a adesão do PSL à candidatura de Rodrigo Maia (DEM-RJ) “inviabiliza completamente” o apoio da legenda à reeleição do presidente da Câmara.

O PSB deve formar um bloco com PP, MDB, PDT, PC do B e, possivelmente, PT, PTB e PSC. A ideia é apresentar várias candidaturas para forçar que a disputa vá para o segundo turno. Já estão lançados os nomes de JHC (PSB-AL), Arthur Lira (PP-AL), Fábio Ramalho (MDB-MG) e Alceu Moreira (MDB-RS).

“Ficou evidente, pela amplíssima maioria, a preferência dos nossos deputados pela formação de um bloco que se opõe à candidatura do Rodrigo Maia”, disse o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira.

O partido reuniu 22 de seus 32 nomes na sede do partido durante quase quatro horas. O líder da sigla, Tadeu Alencar (PE), disse que ainda vai ouvir os que estavam ausentes, mas que não há número suficiente para reverter a tendência contra Maia.

O PSB, assim como os demais partidos do possível bloco, vinham conversando com Maia para apoiá-lo, até que, na semana passada, o PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro, declarou que ingressaria na chapa pela reeleição.

“Houve a adesão, que ele [Maia] aceitou, do PSL, sem que ele tivesse discutido com nenhum de seus apoiadores e isso inviabiliza completamente nosso apoio a ele”, afirmou Siqueira.

“A entrada do PSL trazia uma identidade muito grande da candidatura de Rodrigo com o governo. Desde o começo a gente dizia que era importante para este bloco garantir a independência do Poder, que a gente pudesse exercer plenamente este papel de oposição”, afirmou Tadeu Alencar que, mais cedo, havia se reunido com Maia.

O PSB já havia formado um bloco com PDT e PC do B. As duas legendas serão as primeiras a serem consultadas. O PDT reúne seus quadros nesta sexta-feira (11), no Rio, e o PC do B tem reunião prevista para a terça-feira (15).

Fechada uma posição deste grupo, serão procurados PP, MDB e PT, com quem já há conversas em curso.
Se conseguir aglomerar em torno de si PT (56), PP (37), MDB (34), PSB (32), PDT (28), PTB (10), PC do B (9) e PSC (8), o bloco chegará a um total de 214 deputados.

Com PSL (52), PSD (34), PR (33), PRB (30), DEM (29), PSDB (29), SD (13), PODE (11) e PPS (8), Maia teria 239 votos para sua reeleição, mas seus adversários dizem acreditar que o atual presidente da Casa tem um teto de 200.

Não há nenhuma garantia de voto em bloco nos partidos porque a eleição é secreta, o que permite traições à orientação do comando das siglas.

Fonte: Folhapress

Notícias relacionadas

Novo Civic começa em R$ 87.900 e chega a R$ 124.900

Junior Oliveira

Justiça Federal marca julgamento do ex-prefeito de Paulistana Luís Coelho

Junior Oliveira

Alunos de 44 municípios do Piauí terão poupança para não deixarem a escola

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais