18.9 C
Piauí
11 de agosto de 2020
Cidades em Foco
Geral Pernambuco em Foco

Ano bissexto foi criado para arredondar o número de dias para 365

A Terra leva cerca de 365 dias e seis horas para completar uma volta em torno do sol. Na prática, um ano teria 365,25 dias –algo complicado de se colocar em um calendário.

Os anos bissextos, como é o caso de 2020, ajudam a arredondar a conta. Mas vamos por partes.
Na Roma Antiga, o calendário se baseava nas fases da lua para contar os dias. Com a ideia de alinhar o calendário ao ano solar, o imperador Júlio César pediu ao astrônomo Sosígenes que reformulasse o calendário para um sistema mais preciso.

Esse novo formato foi chamado de calendário juliano e tinha 365 dias, divididos em 12 meses, com 30 e 31 dias.

Para compensar as seis horas que ficam de fora todos os anos, acrescentou-se um dia a cada quatro anos.O dia extra é a soma das seis horas que sobram todos os anos durante quatro anos, totalizando 24h, assim  6+6+6+6 = 24.

Em 1582, o papa Gregório 13 promulgou uma bula papal que alterava o calendário, após novas análises realizadas pelo astrônomo Cristóvão Clávio. O objetivo era corrigir erros na relação das datas com o ano solar. Esse calendário é o que usamos atualmente: o gregoriano.Já o nome do fenômeno, “ano bissexto”, surgiu por outra razão. Fevereiro, no calendário juliano, era o último mês do ano. Decidiu-se que o dia extra deveria ser acrescentado no sexto dia antes das calendas (1º dia do ano), ou seja, 1º de março. Havia uma frase que nomeava e ao mesmo tempo explicava a regra: “ante diem bis sextum Kalendas Martias”, que quer dizer “o sexto dia antes das calendas de março”.

Por ser longa, a frase foi reduzida a “bis sextus” e, hoje, bissexto. Apesar fevereiro não ser mais o último mês do ano, o dia extra ainda é acrescentado no segundo mês. Os anos bissextos são aqueles divisíveis por 4. No caso dos anos centenários, só será bissexto aquele que for divisível por 400; todos os outros centenários, como 2100 e 2200, por exemplo, não serão bissextos.

Fonte: Folhapress

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais