33.1 C
Piauí
21 de junho de 2021
Cidades em Foco
Geral Internacional Pernambuco em Foco

Aval restrito para vacinação com Sputnik V desagrada governadores do Nordeste

Wellington Dias — Foto: CCOM

Governadores do Nordeste  comemoraram a decisão da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) de autorizar na noite de sexta-feira a importação da vacina Sputnik V, em caráter excepcional e temporário. Parte das autoridades estaduais, no entanto, criticou o limite imposto pelo órgão de só poder usar o imunizante contra a covid-19 em até 1% da população. Os gestores estiveram reunidos de forma virtual neste sábado para tratar da vacinação.

A Sputnik V, desenvolvida na Rússia, teve a importação solicitada por Piauí, Bahia, Maranhão, Sergipe, Ceará e Pernambuco. Em abril, a Anvisa negou o pedido por faltarem dados de eficácia, segurança e qualidade do imunizante, mas os governos recorreram da decisão.

Em nova análise, na sexta, a diretoria colegiada agência decidiu liberar a vacina, mas com uma série de restrições. Seguindo o voto do relator Alex Machado Campos, da Diretoria 5 da Anvisa, o quantitativo autorizado deve ser de no máximo 1% do público-alvo – o mesmo vale para o imunizante indiano Covaxin. Dessa forma, o Piauí  pode importar o 66 mil doses, Pernambuco (192 mil), Ceará (183 mil), Maranhão (141 mil), Sergipe (46 mil) e a Bahia fará a maior importação com 300 mil doses.

Presidente do Consórcio Nordeste, governador Wellington Dias (PT) comentou nas redes sociais a decisão da Anvisa. “Ainda que com uma pequena quantidade de doses liberadas, a aprovação da nossa agência reguladora destaca que a vacina é segura e eficaz”, postou.

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), usou o Twitter para comemorar o aval do órgão regulador, mas reclamou do volume de doses autorizado. “É apenas o início, mas depois de muita luta conseguimos aprovação para importar e aplicar a Sputnik V”, escreveu. “A quantidade autorizada pela Anvisa está muito abaixo da real necessidade. Agora, é batalhar para fazer chegar logo o que foi aprovado e vacinar nosso povo. Vacina salva vidas.”

A reunião da diretoria colegiada da Anvisa, na verdade, não tratou de uso emergencial ou de registro do imunizante no Brasil Embora a área técnica argumente que há “lacunas” em informações necessárias para esse tipo de autorização, a sugestão acatada foi de estabelecer uma série de condicionantes para “mitigar riscos”.

Entre as limitações, a agência estabeleceu que podem receber a vacina apenas adultos, de 18 a 60 anos, sem comorbidade, exceto grávidas, puérperas e mulheres que desejam engravidar nos próximos 12 meses. Caso a Sputnik não seja reprovada por avaliação futura ou haja registro de fato adverso grave, a Anvisa pode suspender imediatamente a avaliação.

Após o aval com restrições, governadores e secretários do Consórcio Nordeste e do Consórcio da Amazônia Legal, com representantes do Norte e Centro-Oeste, se reuniram para tratar da importação.

“Nós temos lutado há muitos meses para que a vacinação avance rapidamente”, afirmou o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), após a reunião. Segundo afirma, o Estado tem 4,5 milhões de doses compradas do imunizante. “Os governadores conversaram sobre os próximos passos, visando à execução desses contratos.”

Governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB) afirmou que “acelerar o ritmo da imunização é urgente”. “Estamos analisando todos os aspectos relevantes para que a utilização de mais esse imunizante nos ajude a ampliar a vacinação da nossa população com segurança, eficácia e obedecendo todos os protocolos sanitários. Vacinas salvam vidas.”

Fonte: Estadão Conteúdo

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais