25.2 C
Piauí
4 de outubro de 2022
Cidades em Foco
GeralSaúdeSertão do Inhamuns em Foco

B R O – BRÓ: Protetor solar é recomendado a partir das 8h, diz especialista

Protetor solar - Foto: Freepik

Agosto chegou e já é possível sentir o calor do Piauí que se intensifica a partir de setembro. Com o período do BRO-O-BRÓ, presente nos meses de setembro a dezembro, o uso do protetor solar é imprescindível e é necessária atenção redobrada com a pele.  Devido as altas temperaturas no período, o recomendável é o uso do produto em horários específicos e maior hidratação do corpo.

“Na nossa região as altas temperaturas são bem intensas desde as primeiras horas do dia. A partir de 8h da manhã a radiação já é bem incômoda para a pele e, diante disso, eu recomendo que a partir desse horário as pessoas já utilizem o protetor solar para se proteger do sol. Apesar do horário crítico de radiação ser entre 10h e 15h, analisando o cenário climático do nosso estado, já recomendo cuidados de 8h até as 16h30. A queimadura acontece se o indivíduo estiver exposto à radiação, principalmente, à radiação ultravioleta do sol. Em nossa região, para que o calor cause queimaduras é difícil porque não há temperatura suficiente para isso, mas a sensação térmica pode ser muito incômoda para o indivíduo”, explica o dermatologista Lauro Rodolpho.

Levantamento realizado pela Unicamp, em 27 estados brasileiros, indica que em 2021, 62% da população deixou de aplicar o filtro solar diariamente. Destes, 44% se expõem ao sol apenas pela manhã, 13% utilizam roupas para se proteger do sol e apenas 12% consultam o dermatologista para indicação do melhor filtro a ser utilizado.

Lauro Rodolpho comenta sobre o cenário climático brasileiro e que as queimadas podem intensificar consequências sérias ao organismo humano. “As queimadas acabam contribuindo para aquecer mais ainda o nosso habitat e isso gera consequências para o organismo também. Clima mais seco, menos úmido, associado a muita radiação e muito calor. Então o risco do organismo sofrer essas alterações climáticas é bem maior e, atualmente, estamos passando por essa mudança climática muito intensa, o que tem afetado a saúde de muita gente no nosso país e do mundo”, finaliza o dermatologista.

Da Redação
redacao@cidadeverde.com

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais