25.6 C
Piauí
24 de junho de 2022
Cidades em Foco
Caridade do Piauí Economia Geral Jacobina do Piauí

Beneficiários que não atualizar dados até sexta (26) não receberão Bolsa Família em julho

Técnicos de todo o Piauí participam de reuniões para discutir o processo de revisão e averiguação cadastral dos beneficiários do Bolsa Família. Uma recente fiscalização descobriu fraudes nos cadastros e surpreendeu o fato de um funcionário público com renda per capta anual de R$ 36 mil, estar recebendo o benefício. No Piauí, cerca de 446 mil pessoas são beneficiadas e terão que regularizar o cadastro até esta sexta-feira (26) , comparecendo a uma sede do Centro de Referência Assitência Social (Cras) ou posto de cadastramento nos municípios, portando documentos pessoais.

“Quem não regularizar o cadastro até amanhã terá o benefício bloqueado a partir do próximo dia 03 e cancelado em setembro. Também em julho, começaremos a segunda etapa, onde os beneficiários de programas como o Pronatec, Minha Casa MInha Vida e outros programas federais terão o cadastro averiguados e revisados para continuarem inseridos”, disse.

1000

Em entrevista ao Notícia da Manhã, nesta quinta-feira (25), ele ressaltou que a revisão cadastral é importante para que os verdadeiros beneficiários sejam contemplados e não implique em perda de recurso público e, consequentemente, incorrendo em uma injustiça social.

“O cadastro único é autodeclatório, principalmente, por que a população de renda mais baixa tem dificuldade em comprovar a renda, os rendimentos. Muitas dessas pessoas não têm vínculo formal de trabalho e isso facilita a entrada nos programas sociais. O cadastro único não serve apenas para o Bolsa Família, mas para quase 35 programas do Governo Federal como Minha Casa Minha Vida, programa de cisternas, Pronatec, tarifa social entre outros”, disse o coordenador estadual do Bolsa-Família no Piauí, Roberto Oliveira.

Roberto Oliveira explica que pessoas que forem flagradas agindo de má-fé terão automicamente, o benefício cancelado. Para evitar fraudes, o coordenador destaca que estão sendo realizadas duas revisões cadastrais por ano.

“Na primeira etapa, já foi feito o cancelamento do benefício de várias famílias que estavam sendo acompanhadas há três anos e constatamos que eles estavam fora do perfil. Então, fizemos o cancelamento imediato e agora elas estão passando por uma averiguação, muitas receberão visitas domiciliares e se após essa fase for comprovado o dolo, estas pessoas terão que devolver recursos para o Governo Federal”, explica Oliveira.

Oliveira orienta ainda que famílias que saíram da linha de extrema pobreza atualizem o cadastro com a atual renda e façam o desligamento voluntário. “Essas pessoas terão a garantia de que, após três anos do cancelamento, poderão voltar ao programa, caso seja necessário”, finaliza.

 

Fonte: Cidade Verde

 

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais