23.3 C
Piauí
18 de agosto de 2019
Cidades em Foco
Geral Política

Bolsonaro chama ideologia de gênero de “coisa do capeta”

De cima do trio elétrico da ‘Marcha para Jesus’, realizada em Brasília neste sábado, 10, o presidente Jair Bolsonaro defendeu o que chama de “família tradicional” e classificou como “coisa do capeta” o assunto sobre “ideologia de gênero”. O presidente estava rodeado de lideranças religiosas e políticos, como o ministro Onyx Lorenzoni, o vice-presidente da Câmara, Marcos Pereira (PRB-SP), e o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, e falou a uma multidão que acompanhava a marcha.

Ao afirmar o que disse durante sua campanha eleitoral “já falava anos antes”, Bolsonaro emendou o assunto sobre a constituição da família, e sugeriu que, se quiserem mudar a “família tradicional”, que proponham uma emenda à Constituição. Ponderou, por outro lado, que continuará “acreditando na família tradicional”, uma vez que não é possível “emendar a Bíblia”.

“Apresentem uma emenda à Constituição e modifiquem o artigo 226, que lá está escrito que família é homem e mulher. E mesmo mudando isso, como não dá pra emendar a Bíblia, eu vou continuar acreditando na família tradicional”, disse.

Dentro da mesma temática, que foi uma das marcas de sua campanha eleitoral, Bolsonaro também afirmou que vai “respeitar a inocência das crianças nas salas de aula”, e que não existe “mais conversinha de ideologia de gênero”. “Isso é coisa do capeta. Tenho certeza que o governador não vai admitir isso aqui”, afirmou, referindo-se ao governador do DF.

“Vocês têm na primeira vez da história do Brasil um presidente que está honrando o que prometeu durante a campanha. Um presidente que acredita e valoriza a família. Um presidente que vai respeitar a inocência das crianças nas salas de aula”, disse.

A expressão ideologia de gênero, que não é reconhecida pelo mundo acadêmico, normalmente é usada por grupos conservadores que se dizem contrários às discussões sobre diversidade e direitos de minorias. Bolsonaro faz uso frequente do conceito para criticar governos de esquerda e políticas educacionais.

“Não discriminamos ninguém, não temos preconceito. E deixo bem claro, as leis existem para proteger as maiorias. O que a minoria faz sem prejudicar a maioria, vá ser feliz. Não podemos admitir leis que nos tolham, que firam os nossos princípios”, disse.

O presidente disse ainda que está em queda de braço com a Justiça para acabar com os radares eletrônicos no Brasil. “E nas próximas semanas vou acabar também com os radares móveis que o pessoal fica atrás de uma árvore pra multar você num retão”, afirmou.

Fonte: Estadão Conteúdo e Folhapress

Notícias relacionadas

Sine Piauí oferta 359 vagas de emprego; Veja as opções

Junior Oliveira

10 truques simples para desintoxicar e perder peso de forma saudável

Junior Oliveira

Bêbado, homem é preso após agredir sua mãe de 60 anos a pauladas no Piauí

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais