25.2 C
Piauí
6 de junho de 2020
Cidades em Foco
Geral Política

Bolsonaro defende congelar salário até 2021 em reunião com governadores

Foto: Marcos Corrêa/PR

Em reunião virtual com governadores, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) pediu nesta quinta-feira (21) apoio para o veto que irá garantir o congelamento salarial para os servidores públicos até o final de 2021. A medida atinge os servidores federais, estaduais e municipais.

Na videoconferência, Bolsonaro garantiu a sanção do projeto de ajuda a estados e aos municípios no valor de R$ 60 bilhões. A sanção presidencial deve sair até o final do dia.

Na reunião, o presidente pregou um tom de união com os governadores apesar das trocas de farpas dos últimos dias. Ele afirmou que o governo pensou em cortar salários dos servidores, mas decidiu pelo congelamento por ser um ‘remédio menos amargo’.

‘Em comum acordo com os Poderes, ceamos a conclusão de que congelando a remuneração, esse peso seria menor, mas de extrema importância. É bom para o servidor, porque o remédio é menos amargo, mas é de extrema importância para o país’, disse. O presidente lembrou que trabalhadores das empresas privadas estão perdendo o emprego ou tendo os salários reduzidos e disse que todos devem fazer a sua cota de sacrifício.

‘Sabemos que o senhor sofre pressões, os governadores também, mas acho que é um momento  de unidade nacional , mas entendemos que o momento é de sacrifício de todos’, disse o governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja que representou os governadores, ao apoiar o veto.

Bolsonaro garantiu a sanção do projeto que libera R$ 60 bilhões para estados e municípios. O recurso será utilizado em ações de combate a pandemia do coronavírus. Diante da crise economia provocada pela paralização da pandemia, os governadores pediram que a liberação possa ocorrer até o dia 31 de maio.

A elaboração da proposta foi marcada por embates entre Rodrigo Maia e o ministro da Economia, Paulo Guedes. Porém na reunião de hoje, o presidente da Câmara mostrou um tom de conciliação.

‘Essa reunião simboliza a importância da nossa Federação, dos prefeitos, dos governadores no enfrentamento da pandemia. Crise que diminui a arrecadação. É importante a coordenação do Governo Federal para reduzir danos. Esse projeto é um momento importante no enfrentamento à crise. Cria as melhores condições para que possamos tratar do pós-pandemia e da recuperação econômica. Todos unidos, os resultados serão melhores para a população. Na pós-pandemia teremos uma nova realidade e necessidade de reorganizar o estado’, disse Maia.

O governador de São Paulo (PSDB) também pregou a necessidade de união entre todos os setores responsáveis pela reconstrução do país. Ele disse ser urgente que a primeira parcela dos recursos possa ser liberada até o dia 31 de maio.

‘É urgente que a primeira parcela possa ser repassada até 31 de maio. É urgente já que será destinada para saúde, para as ações de enfrentamento ao vírus. O Brasil precisa de união para vencer a crise e proteger os brasileiros. A guerra coloca todos em derrota. Ninguém ganha. Precisamos nos unir’ disse ele que vive um clima de acirramento político com Bolsonaro.

Fonte:Lídia Brito/ CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais