27.2 C
Piauí
22 de setembro de 2019
Cidades em Foco
Geral Internacional

Bolsonaro diz que reconhece sua incompetência em momentos

Em uma espécie de desabafo, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse no fim da tarde desta sexta-feira (6) que reconhece momentos de limitação e incompetência no exercício do seu mandato.

Emocionado, o presidente fez o discurso na porta do Palácio do Alvorada, quando foi recebido por simpatizantes que o parabenizaram pelo aniversário de um ano da facada desferida contra ele durante a campanha presidencial.

“Eu reconheço as minhas limitações, as minhas fragilidades, a minha incompetência em alguns momentos. Mas vou continuar empenhado para fazer meu melhor”, disse.

Desde quinta-feira (5), Bolsonaro tem demonstrado incômodo com a reação negativa de eleitores com a indicação do subprocurador-geral Augusto Aras para o comando da PGR (Procuradoria-Geral da República).

Em live nas redes sociais, o presidente solicitou inclusive que apaguem comentários contra o indicado para a sucessão da procuradora-geral Raquel Dodge e pediu um voto de confiança. Nesta sexta, ele voltou a justificar a sua escolha.

“Ontem [quinta] escolhi o novo procurador-geral da República. Uma escolha difícil, mas é uma pessoa que tem um grau de importância muito parecido com o de presidente”, disse Bolsonaro. “A gente não pode focar apenas em corrupção, há também a questão ambiental e de direitos humanos.”

Ao todo, cerca de 50 pessoas receberam Bolsonaro. Elas cantaram “parabéns a você”, o que o levou a lacrimejar. Segundo ele, foi feita também uma festa na Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG), onde ele foi socorrido após a facada.

“Eu sou imbrochável”, disse o presidente, ressaltando que não desistirá de sua missão no cargo. “Obrigado pelo parabéns. Um ano de vida”, afirmou.

Bolsonaro já havia escolhido Augusto Aras para a PGR desde o final de junho. Ele optou, no entanto, por segurar o anúncio para arrefecer as críticas ao subprocurador-geral, sobretudo dentro de seu próprio partido, o PSL, que o acusavam de ter afinidade com a esquerda.

No período, Bolsonaro enviou interlocutores ao Congresso para falar individualmente com líderes de frentes parlamentares na tentativa de diminuir a resistência a uma indicação de Aras.

Nesta quinta-feira, antes do anúncio oficial do nome de Aras, o presidente consultou representantes das bancadas evangélica, do agronegócio e da segurança pública, consideradas as principais bases de apoio do governo.

Fonte: Folhapress

Notícias relacionadas

Wilson Martins critica Wellington Dias: “Não disse a que veio”

Junior Oliveira

Filho de vereadora é encontrado morto em barragem em Queimada Nova

Junior Oliveira

Funasa libera R$ 50 milhões para obras de Recursos Hídricos no Piauí

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais