26 C
Piauí
4 de agosto de 2020
Cidades em Foco
Geral Política

Bolsonaro quer enfraquecer lulismo e agradar aliados no Piauí; veja cobertura

Foto: Alan Santos /PR

A porta se abre e aparece o presidente Jair Bolsonaro segurando um chapéu de couro na mão direita e aos gritos de “mito” ele para e inclina a cabeça para baixo, em um sinal de reverência aos apoiadores que se acotovelavam para vê-lo de perto. Após cumprimentar os admiradores – cerca de 300 pessoas, segundo a Polícia Militar – que o aguardavam em frente ao aeroporto de São Raimundo Nonato (PI), o presidente surpreende montando em um cavalo. O chapéu e o cavalo, símbolos do Nordeste, foi uma demonstração de que está disposto a enfrentar o lulismo no Nordeste.

Não é à toa que o presidente escolheu dois estados governados pelo PT, a Bahia (Rui Costa) e o Piauí (Wellington Dias) para a primeira viagem oficial após se curar da Covid-19. Escolheu o Nordeste, região que ajudou a eleger os presidentes Lula e Dilma Rousseff, e tida como reduto petista.

Na cidade de Campo Alegre de Lourdes, na Bahia, Bolsonaro escolheu concluir a obra da adutora do rio São Francisco, que atenderá mais de 50 cidades baianas naquela rota. Uma obra iniciada no governo petista. Como estava perto, a 66km de São Raimundo Nonato, o presidente resolveu estreitar laços com o senador Ciro Nogueira, presidente nacional do Progressistas e atendeu o pleito do senador para visitar o Piauí. Ciro já declarou apoio a Bolsonaro e é um dos articulares do Centrão.

No Piauí, Bolsonaro visitou o Parque Nacional Serra da Capivara e Museu da Natureza que enfrentam escassez de recursos durante a pandemia, chegando a demitir funcionários e colaboradores. No estado, o presidente não quis saber da imprensa, fez um fala rápida ao encerrar a visita após insistência da imprensa em meio a uma cerca de arame farpado. Ele disse que tinha vindo “sentir o povo”.

A comitiva saiu prometendo liberar R$ 5,7 milhões para a região. Mas, o senador Marcelo Castro (MDB), que não recepcionou o presidente por estar em isolamento, já esclareceu que são recursos reivindicado por ele junto ao Ministério do Turismo desde o ano passado.

Bolsonaro mostra força da direita, mesmo que os incrédulos não acreditem, conquista um aliado de peso Ciro Nogueira, e mantém a linha de fazer polêmica, mesmo com os conselhos do Centrão para falar pouco e trabalhar mais.

No estado, Ciro se distancia mais dos petistas e a visita do presidente desagradou os governistas do Palácio de Karnak. Bolsonaro, por sua vez, mostra que não seguirá recomendações sanitárias de evitar aglomerações, uma tática equivocada, não humanitária e que só ajuda a aumentar o número de óbito. Enquanto ele segue a saga polêmica, muitos duvidam do poder do capitão. A sensação que se tem é que os adversários dos bolsonaristas apostam em uma queda do presidente, em uma crescente impopularidade, repedindo uma estratégia camicase semelhante ao do início da eleição. A esquerda não apostava na vitória de Bolsonaro para presidente e quando acordou já era tarde.

Fonte: CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais