23.9 C
Piauí
7 de julho de 2020
Cidades em Foco
Geral Internacional

Brasil e mais seis países latino-americanos denunciam ação de Maduro no Equador

Sete países latino-americanos anunciaram nesta terça-feira, 8, seu “firme apoio” ao presidente equatoriano, Lenín Moreno, e rejeitaram “toda ação” do presidente venezuelano, Nicolás Maduro, e seus aliados para desestabilizar o Equador, que enfrenta grandes protestos em meio a altas nos preços do combustível.

“Os governos de Argentina, Brasil, Colômbia, El Salvador, Guatemala, Peru e Paraguai manifestam seu profundo rechaço a toda tentativa de desestabilizar os regimes democráticos legitimamente constituídos e expressam seu firme apoio a todas as ações empreendidas pelo presidente Lenín Moreno”, diz a nota divulgada em Bogotá pelo Ministério de Relações Exteriores.

Os sete países também condenaram qualquer influência de Maduro – ao qual se opõem – e seus aliados para desestabilizar o governo equatoriano. “(Os governos) rejeitam toda ação destinada a desestabilizar nossas democracias por parte do regime de Nicolás Maduro e dos que buscam estender os alinhamentos de sua nefasta obra de governo aos países democráticos da região”, indicaram.

Na segunda-feira, Moreno acusou Maduro e o ex-presidente equatoriano Rafael Correa, seu ex-padrinho político, de estarem por trás de um “plano de desestabilização” para tirá-lo do poder

Nesta madrugada, o presidente equatoriano se viu obrigado a transferir a sede de seu governo de Quito para Guayaquil depois de milhares de manifestantes cercarem o palácio presidencial.

O respaldo do grupo de países latinos se une ao manifestado na segunda-feira pelos Estados Unidos, aliado de Moreno.

Entenda a crise

Os protestos contra Moreno começaram na quinta-feira, 3, depois de o governo anunciar o corte de subsídios para combustíveis como parte de uma reforma econômica prevista em acordo de empréstimo de US$$ 4,2 bilhões do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Grupos indígenas e outros manifestantes fizeram barricadas em estradas com pneus, pedras e galhos queimados, enquanto a polícia usou veículos blindados e gás lacrimogêneo para acabar com as manifestações.

Desde 1997, protestos populares já causaram a renuncia de três governantes do Equador.

Fonte: Estadão Conteúdo  

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais