37.4 C
Piauí
24 de outubro de 2020
Cidades em Foco
Entretenimento Geral Pernambuco em Foco

Caju protege o coração e combate o envelhecimento: veja seus benefícios

Imagem: iStock

Enquanto a castanha-de-caju é bastante valorizada, muitas vezes a polpa desse alimento é jogada no lixo. Como a polpa corresponde a 80 a 90%, podemos dizer que essa parte da sua produção costuma ser desperdiçada. Isso é uma pena, pois a parte alaranjada, que na verdade é considerada o pseudofruto do cajueiro —o verdadeiro fruto da árvore a castanha! — tem potente ação antioxidante.

Isso se dá graças à presença de compostos fenólicos e de grandes porções de vitamina C — são 257 mg em 100 g do fruto in natura e 120 mg em 100 g da polpa congelada, ou seja, mais que 100% das necessidades diárias desse nutriente para adultos.

Além disso, o caju oferece vitaminas A e do complexo B e minerais como cálcio, potássio e ferro. E, como se todos esses atributos não fossem o suficiente para colocar o alimento na sua lista de compras, ele oferece uma boa dose de fibras. Confira abaixo outros ganhos que ele proporciona:

1. Melhora o funcionamento do intestino

Isso porque, o caju é rico em fibras (1,7 gramas para cada 100 gramas do alimento) que estimulam o trânsito intestinal, ajudam na manutenção na microbiota intestinal e colaboram para a formação do bolo fecal. Mas, para que isso aconteça, é essencial tomar água ou o efeito é o inverso, pois as fezes ficam volumosas e ressecadas, o que dificulta a sua saída do corpo.

2. Aliada de quem tem diabetes e o colesterol alto

Mais uma vez são as fibras que estão por trás do efeito. Seu consumo faz com que a glicose quanto o colesterol sejam absorvidos mais lentamente durante a refeição, evitando os picos de ambos, que são maléficos para quem tem diabetes e colesterol alto, respectivamente.

3. É bom para a saúde do coração

O fato de o alimento ajudar no controle do colesterol, por si só, já teria esse efeito, mas ele ainda é rico em antioxidantes, como os flavonoides e carotenoides, que têm ação cardioprotetora, já que combatem os radicais-livres, que podem prejudicar a saúde do órgão.

4. Combate o envelhecimento precoce

Mais um ponto para os antioxidantes. Eles combatem os radicais livres que degradam o colágeno, proteínas que agem na sustentação da pele. Quando essa degradação ocorre, ocasionam-se rugas e flacidez da pele.

5. Turbina as proteções do corpo

Nesse caso a ação é conjunta. A vitamina C aumenta a produção de glóbulos brancos, as células que combatem os micro-organismos que atacam o organismo, e a vitamina A ajuda a modular a ação do sistema imunológico.

6. Ajuda na saúde dos ossos

Os minerais presentes no alimento, como o cálcio e o ferro, deixam os ossos mais fortes, o que pode ajudar na prevenção da osteoporose. O primeiro é responsável pela formação do esqueleto, garantindo a sua resistência. Já o segundo participa do metabolismo ósseo.

7. Dá um gás no ânimo

Nesse quesito a responsabilidade é das vitaminas do complexo B, em especial a B2 ou riboflavina e a B3 ou niacina, pois elas estão envolvidas nas reações que geram energia para o organismo.

Benefícios em estudo

– Combate a acne: um trabalho realizado na Unicamp (Universidade Estadual de Campinas), que utilizou a polpa do caju topicamente, revelou que ela tem um bom potencial cicatrizante e antioxidante, o que ajuda a diminuir as erupções e a inflamação.

Caju - iStock - iStock
Imagem: iStock

Como consumir

O alimento é muito utilizado como matéria-prima para sucos ou doces. Mas também pode entrar em cena como ingrediente nas mais diversas receitas, ate mesmo salgadas, como pão, hambúrguer, omelete e pizza. Não há contraindicações para a sua ingestão.

Como conservar

É importante ressaltar que sua polpa é muito perecível. Em temperatura ambiente, permanece intacta por apenas 72 horas. Entretanto, se o alimento for armazenado em bandejas de polipropileno, como costumamos encontrá-los nos supermercados, envolto em filme plástico e estocado e 5 ºC, pode durar até 20 dias. Na hora da compra, o ideal é optar pelos frutos que estão sem danos aparentes, pois isso acelera o seu processo de oxidação.

Fontes: Clarissa Hiwatashi Fujiwara, nutricionista membro do Departamento de Nutrição da Abeso (Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e da Síndrome Metabólica), e coordenadora de nutrição da Liga de Obesidade Infantil do HC-FMUSP (Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo); e Maria Teresa Salles Trevisan, química da UFC (Universidade Federal do Ceará).

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais