25.2 C
Piauí
20 de agosto de 2022
Cidades em Foco
GeralSaúdeSertão do Inhamuns em Foco

Câmara técnica convocada pela Saúde avalia vacinação de crianças de 3 a 5 anos nesta sexta (15)

Foto: Getty Images

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta semana a primeira vacina contra covid para crianças de 3 a 5 anos, a Coronavac, mas isso não significa que a aplicação irá começar de forma imediata. Uma câmara técnica convocada pelo Ministério da Saúde irá avaliar nesta sexta-feira, 15, o uso do imunizante nas novas faixas etárias. A expectativa é pela recomendação, mas só a partir daí o governo federal deve incorporar e atualizar o calendário nacional e organizar a distribuição de remessas.

Por ora, grande parte dos Estados, como São Paulo, Rio e Mato Grosso do Sul, aguardam orientação do governo federal para ampliar a vacinação. Outros locais, enquanto isso, organizam as doses em estoque e se mobilizam para eventualmente antecipar a imunização. A capital carioca já fez isso: começa a vacinar o público de 4 anos já nesta sexta-feira. O Espírito Santo, por sua vez, informou que há vacinas suficientes para iniciar a imunização de mais faixas, mas decidiu esperar a decisão do Ministério da Saúde.

“Não tenho dúvidas de que a recomendação sairá”, diz ao Estadão o diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações, Renato Kfouri.

Integrante da câmara técnica, ele disse que a reunião para definir a aplicação da Coronovac na faixa entre 3 a 5 anos está marcada para as 14h de hoje e é um trâmite usual após o registro no País. Uma vez que a vacina for aprovada, a etapa seguinte, explica Kfouri, é a aquisição ou redistribuição de doses pelo governo federal.

“O ministério tem que fazer um levantamento das doses disponíveis ainda no País de Coronovac”, afirma ele, que estima que o grupo de 3 a 4 anos corresponde a cerca de 5 milhões de crianças. “Portanto, pouco mais de 10 milhões de doses, 11 milhões de doses (devem ser ofertadas), já que são duas doses para cada um. E elas precisam ser adquiridas, importadas, produzidas no Butantan, tem que ver o que se tem aqui. Esse é o passo seguinte após a recomendação da câmara técnica.”

China 

O secretário de saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, disse na noite de anteontem que informações obtidas pelo governo do Estado indicam que o Instituto Butantan não descarta a possibilidade de importar as doses da Coronavac da China pela celeridade da vacinação do novo público.

Caso o instituto siga pelo caminho de trazer os imunizantes de fora, segundo Gorinchteyn, isso poderia levar cerca de 45 dias, um tempo considerado menor do que se a vacina fosse produzida no Brasil.

Em nota, o Ministério da Saúde informou apenas que ainda irá “avaliar, junto à Câmara Técnica Assessora em Imunizações, o uso do imunizante nesta faixa etária”.

A Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo informou que “aguarda que a Coronavac seja incorporada ao Programa Nacional de Imunizações (PNI) do Ministério da Saúde para o público de 3 a 5 anos e, principalmente, que o governo federal encaminhe novas remessas de doses do imunizante”.

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Saúde (SMS), informa que segue o calendário vacinal do Programa Estadual de Imunizações (PEI). Conforme a pasta, cerca de 313,8 mil crianças entre 3 e 4 anos de idade estão elegíveis na capital, sendo 155,6 mil com três anos e 158,2 com quatro.

O Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) informou que aguarda orientação técnica do PNI e a distribuição das doses e insumos necessários para a rápida ampliação da campanha nacional (Colaboraram Julia Marques e Caio Possati, especial para o Estadão). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Fonte: Estadão Conteúdo 

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais