27.9 C
Piauí
17 de outubro de 2021
Cidades em Foco
Economia Geral Internacional

Com a gasolina mais cara do país, condutores de Teresina enfrentam longas filas para abastecer R$ 0,80 mais barato

Fila de carros para abastecer a R$ 6,19 deixou o trânsito complicado na Zona Norte de Teresina — Foto: Lívia Ferreira/g1 PI

Com o novo reajuste da Petrobras e a gasolina mais cara do país, condutores de Teresina enfrentaram longas filas nesta terça-feira (12) para abastecer a R$ 6,19. Com o aumento no preço de 7,2%, a média do combustível na capital é de R$ 6,99 por litro.

No posto de combustível no bairro na Matinha, Zona Norte de Teresina, uma fila de carros e motos começou antes mesmo das 7h desta terça-feira. O trânsito no cruzamento da Alameda Parnaíba com Avenida Santos Dumont ficou lento devido ao número de veículos aguardando abastecimento.

O jornalista Rafael Santos foi um dos motoristas que enfrentou a fila para abastecer com a gasolina mais barata. Ele contou que geralmente paga R$ 6,79 no litro.

“Eu sempre abasteço R$ 100 por semana, para saber qual o limite do meu carro e o quanto eu consumo. Mas não chegava a dar uma semana, eu sempre precisava complementar com R$ 50 a R$ 80 para poder trabalhar todos os dias”, comentou.

Com a gasolina a R$ 6,19, o motorista espera abastecer R$ 200. “Por esse valor, compensa enfrentar a fila e o calor”, declarou.

Dia Livre de Impostos

O Sindicato dos Postos Revendedores de Combustíveis do Piauí (Sindipostos) informou que os empresários têm a liberdade de fazer promoções. Na quinta-feira (14), a categoria programou um Dia Livre de Impostos, com a gasolina comum a R$ 3,50 o litro.

“Queremos conscientizar e levar as informações até o consumidor sobre o quanto de carga tributária temos no combustível”, comentou.

Sobre Teresina ter a gasolina mais cara do país, segundo o Sistema de Levantamento de Preços da Agência Nacional do Petróleo (ANP), o Sindipostos diz vários aspectos influenciam no valor final do combustível.

“Temos a líquida do ICMS, frete fluvial de São Luís, depois o transporte ferroviário ou rodoviário até Teresina, que geram um imposto maior. Na capital, ainda pagamos o frete para levar o combustível até os postos. São fatores que interferem no preço final do produto”, explicou o coordenador executivo do Sindipostos, Anorcil Andrade.

Fonte: G1-PI

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais