Com forte desvalorização do peso, viagem para Argentina fica mais barata para turistas brasileiros

A forte desvalorização da moeda da Argentina, que levou o país a pedir inclusive ajuda internacional, vem permitindo que a viagens de turistas brasileiros para o país vizinho fiquem mais baratas, segundo agências e especialistas. Isso porque, com a queda do peso argentino em relação ao dólar e ao real, despesas com hospedagem e alimentação, por exemplo, tendem a ficar mais vantajosas para os estrangeiros que visitem a Argentina.

Apesar de a desvalorização mais intensa da moeda argentina ser recente, já é possível notar mudanças em alguns preços para turistas do Brasil. “É possível encontrar serviços de turismo na Argentina com até 30% de desconto”, afirma Rodrigo Vaz, diretor de produtos internacionais para Américas de uma agência de turismo.

A economista Juliana Inhasz, professora da Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap), explica que o momento “pode ser uma oportunidade” para turistas que queiram conhecer o país vizinho. “O que acontece é que a moeda deles se desvalorizou numa velocidade maior que a nossa”, diz ela, lembrando porém que o real também vem perdendo valor nos últimos dias.

Mas Vaz conta que, mesmo com o dólar subindo, a desvalorização do peso é suficiente para que os preços de viagens para a argentina em suas agências fiquem menores.

Peso caindo mais que o real
O peso argentino, assim como o real brasileiro, vem sofrendo com a tendência de alta do dólar nos mercados externos. Mas as incertezas internas sobre a economia da Argentina fazem com que sua moeda sofra mais – o que resulta em uma desvalorização maior do peso.

Os números mostram que o peso argentino perdeu mais valor que o real: neste ano, enquanto o dólar já subiu 7,7% sobre o real, em relação à moeda argentina o avanço já é de 24%. Em 12 meses, o dólar subiu 11,6% sobre o real e 47,4% sobre o peso argentino.

Na comparação direta entre o real e o peso, também é possível ver a diferença: enquanto no final do ano passado o turista precisava de R$ 0,17 para comprar 1 peso argentino, agora precisa de R$ 0,15 – o que quer dizer que o peso já se desvalorizou 9,5% sobre o real em 2018 até agora.

Além de o real perder menos valor em relação ao dólar, “a gente tem outra vantagem nessa conta”, explica Inhasz. “A nossa inflação está controlada, entre 2 e 3% ao ano, diferente da inflação deles. Então, a nossa moeda vai ganhando valor frente à deles.” A projeção do Fundo Monetário Internacional (FMI) é que a inflação na Argentina termine o ano em 22,7%.

Procura por pacotes
A desvalorização do peso nos últimos dias coincide com uma época em que a demanda de brasileiros por pacotes de viagem para a Argentina, segundo Vaz, já é alta. Isso por causa da proximidade do inverno e das férias de julho. “Bariloche, por exemplo, é um destino que explode nessa época”, diz ele.

A alta do dólar também costuma fazer com que os turistas deixem de lado destinos como Orlando e busquem alternativas. “O cliente busca alternativas que caibam no bolso dele. Tem esses fatores associados agora”, diz Vaz.

Mas ele reconhece que a desvalorização recente do peso argentino não é o fator mais forte para aquecer a demanda, pois muitos clientes não entendem de imediato esses efeitos.

Antes de viajar
Mesmo com a queda forte do peso argentino, Inhasz recomenda que, antes de decidir viajar, os consumidores tenham cautela. “A nossa moeda também está perdendo valor, é preciso botar isso na conta”, diz a professora.

“A variável ‘câmbio’ é sempre difícil de prever, a perspectiva é incerta. Pode ser que essa tendência permaneça, mas isso depende dos próximos passos da economia argentina, e a gente não consegue saber isso agora”, reforça Inhasz.

Em um momento de instabilidade cambial, ela aponta por exemplo o risco de fazer gastos com o cartão de crédito fora do Brasil. Isso porque, mesmo que o turista compre em peso argentino, a cobrança da fatura é feita em dólar. “Corremos o risco de ganhar de um lado e perder de outro”, alerta.

 

Fonte: G1

Compartilhar:

Júnior Oliveira

Diretor Geral