31.5 C
Piauí
19 de abril de 2019
Cidades em Foco
Geral Internacional Saúde

Com HUT lotado, diretor critica falta de atendimento no interior do Piauí

O diretor geral do Hospital de Urgência de Teresina (HUT), Gilberto Albuquerque, afirma que, o crescimento do número de atendimentos em 2018 tem provocado sérios problemas ao hospital, como a falta de insumos e o atraso de cirurgias. Segundo a direção, a ouvidoria do HUT detectou que a maioria dos pacientes atendidos é proveniente do interior do Piauí e Albuquerque avalia que um percentual considerável de casos que dão entrada vindo de outras cidades não precisaria chegar ao HUT para ser resolvido.

“A gente entende o desespero desses pacientes. Sem opção de tratamento de saúde eles recorrem às UPAs em Teresina para conseguirem acesso ao HUT. Com receio de não conseguir atendimento, o paciente informa um endereço de algum amigo ou parente de Teresina. Com isso, o HUT, que foi construído para atender uma capital com 800 mil habitantes, acaba virando referência para o estado inteiro, com 224 municípios. Ou seja, mais de 3 milhões de habitantes. Além disso, atende pacientes de outros estados como o Maranhão e o Ceará”, critica o diretor.

O primeiro problema que a superlotação causa ao hospital é a falta de espaço físico suficiente. O diretor conta que já foram tomadas várias medidas para agilizar o atendimento e não deixar os pacientes sem assistência, mas, além disso, há falta de insumo e atraso nas cirurgias, que são situações mais críticas. Gilberto Albuquerque aponta números que, segundo ele, explicam a superlotação do HUT: os hospitais do interior estão realizando menos cirurgias nos últimos anos.

“Segundo o Data SUS, o hospital de Campo Maior, por exemplo, de março a agosto de 2018 realizou 204 cirurgias ortopédicas. Nesse mesmo período de 2014, o mesmo hospital realizou 326 cirurgias ortopédicas. É possível verificar que foram 122 cirurgias a menos em um período de seis meses. Outro exemplo que podemos citar é o hospital de Esperantina, que nesse mesmo período deixou de realizar 104 cirurgias. Com isso, parte dessa demanda acaba chegando ao HUT que já trabalha na sua capacidade máxima”, lamentou o diretor.

Menos transferências

Outra questão criticada pelo diretor é a redução do número de transferências para os hospitais de retaguarda do HUT, que são três, o Hospital Getúlio Vargas (HGV), o Hospital Universitário (HU) e o Hospital da Polícia Militar (HPM). De acordo com o gestor, em alguns casos, é preciso esperar um mês para transferir o paciente.

Gilberto argumenta que é preciso que esses locais disponibilizem mais vagas. “O HUT é um hospital de urgência e emergência, principalmente para o trauma. Portanto, nosso papel é fazer o primeiro atendimento para livrar o paciente do risco iminente de morte e depois, se o caso for o caso, solicitar a transferência para um hospital de retaguarda, especializado no caso do paciente. Essas transferências não estão mais acontecendo de maneira satisfatória. Estamos recebendo o paciente e sendo obrigados a aguardar por um leito, muitas vezes, por até 30 dias. Isso acaba prejudicando o atendimento de outros pacientes”, explicou.

Para não comprometer o atendimento dos mais graves, o HUT adotou o Protocolo de Acolhimento com classificação de risco do Ministério da Saúde. Esse dispositivo prioriza o atendimento dos pacientes em estado mais crítico, que passam na frente dos pacientes que já estão estáveis e que podem aguardar a cirurgia.

Mais acidentes

Outro problema que acaba contribuindo para a superlotação do HUT é o aumento contínuo dos acidentes de trânsito, por conta principalmente da imprudência dos motoristas. No último mês de setembro o Hospital registrou um aumento de 29,4% no número de atendimento de vítimas de acidentes de trânsito, se comparado com o mês de agosto.

Setembro foi o mês que registrou o maior número de atendimento de vítimas de acidentes de trânsito do ano de 2018. Com relação aos atendimentos de vítimas de acidentes com motocicleta, o aumento foi de 25,5%, também se comparado com o mês de agosto. Foram 1.075 atendimentos de acidentes de trânsito, sendo que 913 foram somente vítimas de acidentes com motocicleta, representando 84% do total de acidentes. Somente este ano o HUT realizou 41.721 atendimentos e 10.396 cirurgias.

Sesapi responde

O secretário estadual da Saúde, Florentino Neto, informou que existem outros motivos para o que ele considerou “suposta queda no número de cirurgias”.

“A gente ampliou o número de cirurgias no hospital de Luzilândia, e isso pode ter sido uma das causas dessa queda nos procedimentos de Esperantina. Não podemos pegar dados isolados, avaliar um hospital só e dizer que os hospitais do interior estão caindo no atendimento. Precisamos comparar levando em conta o contexto, mas dificilmente houve uma redução real”, rebateu o gestor da Sesapi.

Florentino informou que vai levantar os dados de todos os hospitais do estado e comparar com os anos anteriores para provar que houve aumento no número de procedimentos. “Vamos contestar essas informações de queda”, garantiu.

CidadeVerde

Notícias relacionadas

Parceria entre colônia de pescadores e SDR distribui mil quilos de peixes em Conceição do Canindé

Vereador divulga áudio de mãe falando sobre vítima da baleia azul no Piauí

Junior Oliveira

Após cirurgia para reconstruir artéria, apresentador Mariano fica na UTI

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais