29 C
Piauí
22 de maio de 2022
Cidades em Foco
Geral Polícia

Comandante diz que ter PMs envolvidos em roubo “macula a imagem da corporação”

O comandante da Polícia Militar do Piauí, coronel Lindomar Castilho, informou que o PM suspeito de envolvimento em um assalto a cargas na zona Sul de Teresina ainda não se apresentou ao 2° Batalhão da PM. O policial identificado como subtenente Márcio Ribeiro tem oito dias para se apresentar à corporação. O prazo iniciou nesta segunda-feira (25).

“Estamos providenciando primeiro uma prisão administrativa, disciplinar, só pelo envolvimento do nome dele, da Polícia Militar, isso macula a imagem da corporação. Já determinei ao corregedor para determinar sua prisão administrativa”, explicou o comandante da PM.

Caso não se apresente no prazo, o subtenente poderá responder por crime de deserção, um crime gravíssimo para os militares.

Segundo Lindomar Castilho, o militar suspeito é antigo na corporação, com mais de 30 anos de polícia e com passagem pelo 2° Batalhão de Parnaíba. Um levantamento inicial da PM apontou que o militar tem algumas transgressões disciplinares que ainda não foram reveladas pelo comando da corporação. “A vida pregressa dele pode contar desfavoravelmente contra a permanência dele na PM”.

Contra os dois PMs envolvidos no caso foram abertos dois dois processos distintos, um no âmbito criminal e outro no âmbito administrativo.

O soldado Hélio – preso em flagrante portando uma arma de fogo com mais três suspeitos – foi liberado após audiência de custódia. Ele estava lotado no 1° Batalhão.

“Isso não impede que ele responda também ao processo administrativo, que foi instaurado pela Corregedoria, que não é fácil, é grave, mas ele vai ter que enfrentar. Nós militares temos que ter uma conduta ilibada”, afirmou Lindomar Castilho.

Atestado médico

Cidadeverde.com entrou em contato com a defesa dos policiais apontados como suspeitos. O advogado Otoniel Bisneto informou que o subtenente Márcio Ribeiro não está foragido. O PM estaria de atestado médico, emitido por uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Timon no último sábado, dia 23 de novembro, e recebido pelo Batalhão às 19h desta segunda (25).

Segundo o advogado, ao pedir licença médica, o policial devolveu seu armamento à corporação. A defesa apresentou um termo de devolução de arma ao 6° Batalhão da Polícia Militar, datado do domingo (24). Nele consta a devolução de uma pistola.40, três carregadores com 30 munições não deflagradas, além de um colete e um par de algemas.

Para o advogado dos PMs, os policiais não têm nenhuma participação com roubos de cargas. Ele afirmou há uma “cortina nebulosa” no caso e que não entende a motivação do comandante da PM ao apontar um suposto paradeiro do policial.

O atestado do subtenente foi de três dias e vai até esta terça-feira (26). Segundo a defesa, vencido o prazo, ele irá retornar ao batalhão.

Fonte: Valmir Macêdo / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais