28 C
Piauí
19 de maio de 2019
Cidades em Foco
Economia Geral

Comércio do Piauí registrou o pior resultado do país em janeiro

As vendas no comércio brasileiro apresentaram crescimento de 1,9% em janeiro deste ano, quando comparado ao mesmo mês do ano passado.

Treze das 27 unidades federativas apresentaram resultado positivo, com destaque para os Estados do Espírito Santo (+ 9,6%), Santa Catarina (+ 8,4%) e Mato Grosso (+ 7,6%). O Piauí, por outro lado, apresentou o pior resultado do mês, com queda de 6,9% nas vendas. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (14), pelo IBGE.

Na comparação janeiro (2019) x dezembro (2018), a queda nas vendas do Piauí foi menor, de 0,5%.

Mas o fato mais preocupante é que nos últimos três meses todos os resultados comparativos com o ano anterior apontaram para queda nas vendas e os números têm registrado piora gradativa:

Novembro: -3%
Dezembro: -5,5%
Janeiro: -6,9%

As quedas consecutivas estão refletindo negativamente no acumulado dos últimos 12 meses até janeiro. Nesse período, a queda nas vendas é de 1,6%.

Em relação à receita nominal de vendas do comércio, o mês de janeiro representou queda de 0,4% em relação ao mês anterior e de 4,4% em relação ao mesmo mês do ano passado. Nos últimos 12 meses até janeiro, a variação continua positiva, em 0,6%.

Foto: Arquivo / Revista Cidade Verde

Fevereiro também deve ter queda

Para o vice-presidente do Sindicato dos Lojistas no Piauí, Leonardo Viana, o alargamento da folha de pagamento dos servidores do Estado e a alta de impostos são fatores que têm contribuído para a queda nas vendas.

“O Piauí depende muito da folha de servidores. Não há incentivo à indústria e às empresas. Isso prejudica muito a economia. Temos a questão dos terceirizados também, que estão em número reduzido, recebem o salário com atraso, e a questão dos impostos. Vários impostos são criados e reajustados e isso consome o poder de compra das pessoas”, argumenta o lojista.

Leonardo acrescenta que o começo do ano é mais complicado porque em janeiro os pais precisam comprar material escolar e em fevereiro, a semana do carnaval é perdida.

“Fevereiro com certeza registramos outra queda. Acho que só vamos começar a nos recuperar em abril, não vai ser do dia para a noite, porque isso já vem de quatro anos. E as ações do novo governo só devem ser sentidas a partir do 2º semestre. Até lá, as pessoas estão se readaptando”, acredita o vice-presidente.

Até a recuperação começar, as empresas tentam atrair os consumidores com descontos e promoções.

Fonte: CidadeVerde

Notícias relacionadas

Policiais do GPM de São Francisco de Assis recuperam produtos de roubo e prendem o acusado

Polícia investiga morte de dois blogueiros executados no Maranhão

Junior Oliveira

Júlio Arcoverde confirma convite a Washington Bonfim e diz que PP não exigirá vice a Firmino

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais