Companhia encontra ‘gato’ de energia na casa de Muralha, goleiro do Flamengo

As coisas realmente não estão fáceis para Alex Muralha. Fortemente cobrado pelos desempenhos com a camisa do Flamengo, o goleiro foi pego em uma operação da companhia de energia elétrica do Rio de Janeiro, a Light, na manhã desta sexta-feira.

A empresa entrou na casa do jogador e encontrou uma série de irregularidades, como a falta da medição de consumo e uma ligação direta subterrânea, conhecida como ‘gato’.

Tipificado como ‘furto de energia’ pelo Código Penal, a pena pode chegar a oito anos de prisão, além de uma punição administrativa. A casa de Muralha fica no Condomínio Riviera Del Sol, em Vargem Grande, zona oeste do Rio de Janeiro. Além do jogador, outros dez moradores foram autuados pela mesma irregularidade, além de três imóveis ainda em construção.

O caso foi registrado no 42º DP da cidade e a Light ainda aplicou um Termo de Ocorrência e Inspeção (TOI) a todos os moradores. Como não havia medidores de consumo eles são obrigados a pagar por toda a energia consumida pelo condomínio. De acordo com a nota oficial da companhia, Alex Muralha mudou há pouco tempo para uma ‘verdadeira mansão’.

ESCLARECIMENTO DO GOLEIRO

De acordo com notícia divulgada nesta sexta-feira (06/10), dando conta de que a Light teria encontrado um “gato” na casa do goleiro Alex Muralha, o jogador afirma que há dois meses, quando se mudou para sua nova residência, solicita e vem cobrando da companhia de fornecimento de energia a instalação do medidor eletrônico, já que só havia uma ligação provisória.

Muralha tem em mãos todos os mais de dez protocolos das cobranças que fez e, inclusive, já esteve nesta tarde na 42ª delegacia de polícia, onde foi registrada ocorrência prestando queixa contra a Light.

O advogado do atleta, Aldo Giovani Kurle, tomará as medidas judiciais cabíveis nas esferas cível e criminal contra os responsáveis, pela denúncia feita pela Light.

“O Muralha jamais procedeu de má fé, sempre quis tudo legalizado. Não à toa tem vários protocolos cobrando a companhia para regularizar a situação. Se fosse uma atitude dolosa, ele jamais ficaria em cima, ligando e cobrando. As ações já estão sendo tomadas”, disse Aldo.

Veja a nota da Light sobre a operação na casa de Muralha:

A partir de uma denúncia, a Light fez uma inspeção especial no Condomínio Riviera Del Sol, em Vargem Grande, no Rio de Janeiro, onde mora o goleiro do Flamengo, Muralha. A casa dele e a de outras nove pessoas estavam com fraude subterrânea de energia elétrica. Além dessas 10 casas, foram encontradas fraudes em outras quatro casas que estão em obra no mesmo condomínio.

São verdadeiras mansões com um consumo estimado de 2.500 KWh/mês. 100% dessa energia estava sendo furtada, porque nenhuma das casas tinha medidor eletrônico para fazer o registro da energia. A Light fez um Registro de Ocorrência na 42ª delegacia de polícia. A Light também aplicou um Termo de Ocorrência e Inspeção (TOI) notificando osmoradores do condomínio. Do ponto de vista administrativo, eles terão que pagar por toda a energia que consumiram até o momento e não pagaram.

O condomínio tem cinco anos de existência e o Muralha mudou-se pra lá recentemente (não sabemos ao certo quando).

Furto de energia é crime, dá cadeia e pode dar até oito anos de prisão (artigo 155 do Código Penal). Além disso, prejudica o fornecimento de energia, causa incêndio e causa aumento na conta de energia.

O Rio de Janeiro figura em primeiro lugar em volume de energia furtada no Brasil. Equivale ao consumo de Santa Catarina em um ano. Nos seis primeiros meses deste ano, a Light fez 293 mil inspeções no primeiro semestre deste ano. Deste total, foram registradas 239 mil fraudes.

Isto significa que a Light encontra fraude em 80 de cada 100 casas inspecionadas. Ainda nos seis primeiros meses deste ano, foram feitos 287 Registros de Ocorrência e 29 prisões em flagrante pela Policia Civil, que tem sido uma parceira importantíssima da Light nesse combate ao furto de energia no Rio de Janeiro, por meio da Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD).


Fonte: Futebol do Interior

Compartilhar:

Por: Júnior Oliveira

Diretor Geral