35.3 C
Piauí
27 de julho de 2021
Cidades em Foco
Geral Polícia

Defesa pede diminuição da pena para acusado de matar a ex com 16 facadas

Está acontecendo desde às 8h desta terça-feira (5) o julgamento do acusado de cometer feminicídio contra a ex-companheira, em maio do ano passado, no bairro Santa Fé, zona Sul de Teresina. Samuel Lucas é acusado de ter assassinado com dois tiros e golpes de faca Gisleide Alves dos Santos, de 36 anos, dentro da residência da vítima.

O júri popular acontece no auditório do Tribunal do Júri, na capital, sob a presidência do juiz Robledo Moraes Peres de Almeida. O promotor do caso é João Malato e a defesa é representada pelo defensor Dárcio Rufino.

Dárcio Rufino afirmou em depoimento que o acusado, que é réu confesso, desferiu dois tiros contra a vítima, um deles na cabeça, e depois ainda a golpeou com varias facadas. A tese da defesa é que ele cometeu o crime de forma “violenta e descontrolada e que deve ser julgado de forma diferente por isso”.

“Ele sempre foi carinhoso com a vítima, há vários depoimentos que comprovam isso. Essa é uma informação que se repete nas falas das testemunhas. O que aconteceu foi que em um momento de explosão, uma neurose, um ato de desespero, ele cometeu o crime. Não estou diante de um agressor contumaz, mas uma pessoa momentaneamente acometida por uma neurose compulsiva de cometer um crime”, disse o defensor durante sua defesa oral.

“Não estou dizendo que ele é doente mental, mas que agiu acometido por uma perturbação mental. Não estou dizendo que ele não cometeu o crime, a defesa em momento nenhum alega isso, sei que ele é um criminoso e violento, mas peço aqui uma diminuição de pena, porque ele não tinha condição em razão da perturbação mental de ter se controlado e não ter matado a vítima”, acrescentou.

O réu preferiu se manter em silêncio durante a sua oitiva. As cinco testemunhas de acusação foram ouvidas e as duas da defesa foram dispensadas antes de prestarem depoimento.

Já a promotoria sustenta a tese de homicídio triplamente qualificado por motivo fútil com qualificadora de feminicídio e com premeditação. O promotor João Malato disse que a tese da defesa não se sustenta. “Tendo em vista que as provas nos autos são contundentes em afirmar que o réu, no momento em que matou a vítima, tinha pleno conhecimento do que estava fazendo, inclusive planejou tendo comprado um revólver um dia antes pela quantia de R$ 2 mil e no dia do crime a vítima se encontrava dormindo em uma rede, quando ele chegou e efetuou dois disparos de arma de fogo e depois mais dez facadas”, afirma.

O promotor acrescentou que isso revela um crime premeditado, porque depois ela ainda trancou a casa da vítima, fugiu, passou no Banco do Brasil e ainda sacou uma quantia de cerca de R$ 1.800 para fugir. “Então isso tudo demonstra que ele tinha plena capacidade mental de saber o que estava fazendo”, declarou.

Ainda de acordo com o promotor, em depoimento, o réu condessou que atirou em Gisleide quando ela estava dormindo e que por isso premeditou o crime. “Ele disse que a vítima colocou ele pra fora de casa, e que ele ficou inconformado e decidiu cometer o crime, que antes de atirar foi perto da rede onde ela estava outras duas vezes, até criar coragem para atirar”, disse.

Entenda o caso

As informações prestadas pela polícia na época do crime dizem que o casal havia se conhecido pelas redes sociais. Samuel,  que era recém chegado de São Paulo(SP), foi preso dias após cometer o crime em uma barreira na PI-130, saída para Nazária. O filho de Gisleide, que tem 19 anos, foi quem encontrou a mãe morta.

Fonte: CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais