25.4 C
Piauí
27 de junho de 2022
Cidades em Foco
Geral Sertão do Inhamuns em Foco

Deputada diz que defensores da revogação estão distorcendo Lei do Parto Humanizado

Fotos: Renato Andrade/Cidadeverde.com

Autora da Lei do Parto Humanizado, a deputada Teresa Britto (PV) criticou os argumentos dos que defendem a revogação da legislação, em discussão nas comissões temáticas da Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi).

“O que me assusta é a distorção da legislação (…) as pessoas que são contra e querem revogar a legislação não querem debater, reconhecer o que já foi discutido e reconhecido por tratados internacionais sobre a violência obstétrica”, disse a parlamentar.

A fala aconteceu nesta segunda-feira (20) durante uma reunião promovida pelo Grupo de Apoiadoras Públicas da Lei do Parto Humanizado e realizado no auditório da Casa de Núcleos da Defensoria Pública do Piauí, na zona Leste de Teresina.

O encontro contou com a presença de representantes de diversas entidades favoráveis à lei. A enfermeira Tatiana Melo, da  Associação Brasileira de Enfermeiros Obstetras e Obstetrizes (ABENFO), destacou os avanços proporcionados pela legislação.

“Somos a favor da manutenção dessa lei, que defende o parto humanizado. Ela é muito ampla, ela fala dos direitos da mulher a assistência humanizada durante toda a gestação, parto e puerpério. Ela também coíbe e trata da prevenção da violência obstétrica”, pontuou a profissional.

Na ocasião, o Movimento de Doulas voltou a rechaçar os pontos defendidos pelo Conselho Regional de Medicina (CRM) e Associação Piauiense de Ginecologia e Obstetrícia (SOPIGO) e a ausência dos seus representantes dos espaços de debate sobre a lei.

“Esse silêncio precisa ser revisto. Essa autocrítica precisa acontecer. Esperamos que em breve eles estejam juntos conosco, conversando, dialogando e propondo mudanças, porque eles também fazem parte desse cenário. Não é para separarmos o médico da equipe, eles estão juntos. O natural é que em algum momento eles estejam conosco”, disse Naira Rodrigues

O deputado Ziza Carvalho (PT) também participou da reunião e manifestou apoio a atual legislação. Apesar de não ser membro da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), onde o texto é discutido novamente, o petista acredita que não há motivos para a sua revogação.

“Acho que não deve revogar nada da lei. Ela está dentro da competência legislativa do estado. Acredito que esse debate surgiu por falta de conhecimento e preconceitos. O mundo está às avessas, estamos deixando de regulamentar questões importantes para os direitos humanos e buscando simplesmente uma visão distorcida da sociedade”, frisou o parlamentar.

Tramitação no legislativo 

A previsão é que a CCJ volte a apreciar nesta terça-feira (21) o Projeto de Lei do deputado Marden Menezes (PP), que revoga a Lei do Parto Humanizado em sua totalidade. Apesar disso, Britto mantém o posicionamento de manutenção da legislação.

“Queremos dar entrada nas alterações que possam ter, com algumas contribuições. Esperamos que haja consenso e diálogo, que o colega deputado que pediu a revogação possa retirar o projeto de lei dele e a legislação siga vigorando para podermos apenas fazer pequenas alterações com a contribuições dos profissionais de saúde”, reforçou a deputada.

Fonte: Breno Moreno / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais