22.7 C
Piauí
24 de maio de 2019
Cidades em Foco
Geral Polícia

Empresário é condenado a 50 anos de prisão por mortes do Caso Queimados

O empresário Abraão Rodrigues Viana Filho foi condenado a 50 anos e dois meses de prisão após mais de 12 horas de julgamento, na noite dessa segunda-feira (5). O conselho de sentença que integrou o tribunal popular do júri votou de forma unânime pela condenação. Segundo o promotor João Malato, da acusação, o réu alegou inocência, mas foi condenado por homicídio triplamente qualificado, sequestro e organização criminosa. Ele vai recorrer da decisão em liberdade.

Ele informou que o réu alegou inocência, mas três testemunhas ouvidas ontem e ainda a quebra do sigilo telefônico conseguiram derrubar a tese da defesa de Abraão.

“Foram ouvidas testemunhas importantíssimas, que foram o delegado Bonfim Filho, que investigou o caso, o Paulo de Tarso Vilarinho, proprietário do bar onde as vítimas foram sequestradas e Francisco Bispo, o garçom que estava no local no dia do crime”, descreveu.

O promotor comentou ainda sobre uma ligação de Abraão, no dia do crime, para o ex-coronel da Polícia Militar do Piauí, José Viriato Correia Lima, que teria comandado os crimes. Abraão seria o mandante.

“Essa ligação derrubou a tese dele, alegando inocência, de que ele não tinha nenhum envolvimento com as práticas. No dia do crime, pela manhã, eles conversaram, mantiveram contato”, declarou.

Para Malato, Abraão “orquestrou” o crime. “Ele foi o mandante, foi ele que orquestrou tudo. Ele que contatou um comparsa dele, chamado Evaldo [Macedo Cavalcante Júnior], pedindo para que levasse as vítimas a um bar da zona Leste, onde aconteceria o sequestro e em seguida a execução”, disse.

Condenação 

Abraão é o último dos seis acusados a ser condenado pelo Caso Queimados. Foragido desde 1998, quando o crime ocorreu, somente em 2012 ele foi encontrado no Rio de Janeiro e o julgamento ocorreu ontem.

O empresário foi julgado pelos crimes de homicídio triplamento qualificado – motivo torpe, emprego de meios cruéis e impossibilidade de defesa da vítima -, sequestro e organização criminosa.

Além dele, foi condenado a 40 anos de prisão o ex-coronel José Viriato Correia Lima. Foram condenados também os policiais militares Raimundo Xavier da Silva e José Correia Braga Neto. Os outros sentenciados foram Domingos de Sousa e Evaldo Macedo Cavalcante Júnior.

A defesa do empresário informou que irá recorrer da decisão e Abraão ganhou o direito de aguardar a decisão em liberdade.

O crime

O promotor Régis Marinho realizava a acusação do réu, mas precisou deixar o caso devido ao processo eleitoral. Segundo ele, o Caso Queimados ficou assim conhecido porque as duas vítimas – Hélio Araújo Silva e Einaldo Liberal Xavier Júnior – tiveram seus corpos queimados depois de serem sequestrados, amordaçados e executados com tiros na cabeça. Os cadáveres foram deixados na região da Taboca do Pau Ferrado.

O promotor disse que a motivação do crime seria um desfalque que Hélio e Einaldo teriam aplicado em uma loja de sociedade de Abraão e Correia Lima.

“O Hélio era gerante da loja e teria dado um desfalque de R$ 100 mil na loja, que era usada para lavagem de dinheiro do crime organizado e pistolagem na época. Eles então armaram um encontro e sequestraram e mataram as vítimas”, informou.

Veja detalhes do caso:

 

Maria Romero / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Agespisa é condenada por fornecer água imprópria ao consumo humano

Junior Oliveira

Cadáver é encontrado entre Jaicós e Geminiano

Deputado diz que retomam negociações das dívidas rurais na quarta

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais