21.8 C
Piauí
26 de junho de 2019
Cidades em Foco
Geral Política

“Espero que Dilma toque o coração dos senadores”, diz Regina Sousa

“A gente nunca perde as esperanças”. Este é o sentimento da senadora Regina Sousa (PT) em relação ao julgamento final do impeachment de Dilma Rousseff que inicia nesta quinta-feira (25) no Senado. Em entrevista ao Notícia da Manhã, a piauiense comentou sobre a participação da petista na sessão e desabafou: “espero que a presença dela toque o coração”.

Regina Sousa sustenta que a presidenta afastada não cometeu crime de responsabilidade fiscal. “Os argumentos do ponto de vista jurídico estão destruídos pois não existe crime de responsabilidade. Por outro lado, o julgamento é político…foi um processo tramado, engendrado, construído com uma engenharia muito perfeita desde a eleição de 2014. É um processo difícil, mas não impossível. A presença de Dilma no julgamento pode constranger ou tocar o coração. Eu espero que toque o coração”, disse Sousa.

A piauiense acrescenta que fatos novos serão utilizados na defesa da presidente afastada e citou a declaração de um procurador que sob anonimato disse que a Operação Lava Jato foi usada para derrubar Dilma Rousseff.

“Ele disse que o sentimento dos procuradores da Lava Jato é que foram usados e agora que o impeachment está consolidado, estão sendo descartados, não os querem mais. Isso foi dito à Folha de São Paulo ontem (24) e está causando um certo alvoroço. Ouvi no plenário que a declaração foi uma delação não premiada. Essa declaração é muito grave e pode mexer também com  algum senador. Com isso, voltamos a acender as esperanças”, disse a senadora.

A abertura da sessão está prevista para as 9h sob o comando do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, que também preside o processo de impedimento da presidente afastada. No primeiro momento da sessão, Lewandowski responderá às chamadas “questões de ordem” – questionamentos de senadores sobre procedimentos do julgamento e etapas do processo.

Depois disso, começarão a ser ouvidas as testemunhas. São oito ao todo, duas escolhidas pela acusação e seis pela defesa.
Todas elas estão isoladas, individualmente, em quartos de um hotel na região central de Brasília – sem acesso à Internet, televisão, telefone e visitas – à espera do momento em que serão interrogadas pelos senadores.

A participação de Dilma Rousseff no julgamento está prevista para  a segunda-feira (29). Ela terá 30 minutos prorrogáveis por tempo indeterminado para fazer um pronunciamento e depois responderá às perguntas dos senadores.

A data escolhida para a fase final do impeachment coincide com o dia da carta de renúncia do ex-presidente Jânio Quadros (25 de agosto de 1961), bem como antecede o trágico suicídio do ex-presidente Getúlio Vargas (24 de agosto de 1954). Para Regina Sousa, a data foi escolhida de forma estratégica.

“Ontem foi dia da morte de Getúlio e hoje da renúncia de Jânio. A Dilma não fez nenhuma coisa e nem outra. Acho que eles escolheram essa data muito simbolicamente para ver se ela renunciava ou se suicidava. Mas, ela está muito forte e resistindo. Ela vai causar um impacto muito grande em sua defesa”, finaliza.
Graciane Sousa / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Padre Fabio de Mello revela boas experiências de namoro

Junior Oliveira

Decisão do STF dirá muito mais que sobre a prisão do ex-presidente Lula

Junior Oliveira

Antecipação do IPVA em fevereiro gera desconto de até 23%

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais