24.8 C
Piauí
6 de dezembro de 2022
Cidades em Foco
GeralPolícia

Ex-PM que matou policial na frente do filho diz que agiu em legítima defesa

Policial militar do Maranhão Francisco Ribeiro dos Santos Filho — Foto: Divulgação/PM

O ex-policial Francisco Ribeiro dos Santos Filho declarou durante julgamento no Tribunal do Júri, nesta quarta-feira (28), que atirou no cabo Samuel de Sousa Borges em legítima defesa. Ele é acusado de homicídio qualificado. A vítima foi morta na frente do filho em fevereiro de 2019.

“A acusação da forma que o Ministério Público colocou é falsa. Agi em legítima defesa. Eu tentei de toda forma evitar a situação. Não sai de casa com esse intuito. Só usei de arma de fogo para defender a minha vida”, declarou.

Francisco contou que estava indo pagar um boleto, quando foi abordado pelo cabo Samuel e ele começou a persegui-lo. “Não tinha nada que justificasse aquela abordagem. Mandei ele seguir a viagem. Como ele fez a menção de puxar a arma, eu coloquei a minha na mão. Foi quando ele começou a filmar, eu me senti ameaçado”, contou.

O réu revelou que tentou subir novamente na moto, quando o cabo tentou agarrá-lo. Os dois decidiram seguir viagem, mas houve um novo confronto mais a frente, desta vez, com a arma em punho, segundo Francisco.

“Ele começou a gravar novamente, pegou a chave da minha moto e jogou em um terreno baldio. Eu comecei a atirar e não sei onde atingiu ele. Depois, eu voluntariamente entreguei a arma para o segurança da escola”, disse.

Francisco contou ter usado uma pistola para atirar no cabo, mas que estava com um revólver calibre 38 na cintura. O acusado denunciou que foi ‘bastante’ agredido pelos seguranças, que o algemaram e apreenderam suas armas até a chegada do delegado Willame Moraes.

A defesa do réu alega que o crime foi cometido em legítima defesa. Contudo, o Ministério Público contesta a tese e afirma que um vídeo gravado pela própria vítima afasta a possibilidade de que o homicídio tenha sido cometido em legítima defesa.

O julgamento acontece no Fórum Cível e Criminal, em Teresina. Familiares da vítima aguardam o fim da audiência do lado de fora.

Entenda o caso

De acordo com a investigação do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP), a vítima foi morta após ameaçar denunciar o então PM do Maranhão à Corregedoria da Corporação. Francisco Filho foi preso em flagrante.

No dia do crime, o acusado foi espancado por pessoas que presenciaram o assassinato. A vítima, o policial militar Samuel Borges, foi assassinado com três tiros, um deles na cabeça, na presença do filho adolescente.

Após ser preso, Francisco declarou à polícia que o motivo do crime teria sido uma discussão sobre o trânsito, mas a versão foi descartada durante a investigação.

Segundo o delegado Francisco Costa, o Barêtta, a discussão entre os dois policiais começou no momento em que a vítima abordou Francisco, filmando com o celular, quando percebeu que ele tinha dois volumes nas calças, que indicavam ser duas armas de fogo, e estava com uma motocicleta sem placa.

Policial filmou o próprio assassinato.  — Foto: Divulgação/Polícia Civil

Policial filmou o próprio assassinato. — Foto: Divulgação/Polícia Civil

O cabo Samuel continuou a filmar e então foi baleado com três tiros, um deles na cabeça, e morreu na frente do filho. A vítima tinha 30 anos, fazia parte do Batalhão de Rondas Ostensivas de Natureza Especial (BPRone) e era lotado na Cavalaria da Polícia Militar do Piauí.

O policial foi velado com honras militares na sede do Batalhão de Rondas Ostensivas de Natureza Especial (BPRone).

O cortejo foi acompanhado por homens da Polícia Rodoviária Federal, Polícia Militar e BPRone, além dos amigos e familiares.

O policial cursava Nutrição em uma faculdade particular de Teresina, e foi homenageado por colegas de turma durante a solenidade de colação de grau.

Fonte: G1-PI

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais