33.2 C
Piauí
14 de maio de 2021
Cidades em Foco
Geral Polícia

Exploração sexual infantil nas rodovias do Piauí cresce 139%

Rodovia no Piauí (Foto: Reprodução/ PRF-PI)

É um crime que ocorre no movimento das estradas e, quase sempre, no período noturno. A exploração sexual infantil nas rodovias federais que cortam o Piauí teve crescimento de 139%, entre os anos de 2019 e 2020. O levantamento é da ONG Childhood Brasil, em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), que verificou no Estado 103 pontos vulneráveis onde crianças e adolescentes se arriscam vendendo sexo. Na última pesquisa, esse número era de apenas 43.

O aumento assustador colocou o território piauiense entre os seis piores do país e bem acima do índice nacional, que teve alta de 47%. Segundo a PRF, o mapeamento desses locais é feito de dois em dois anos e serve como direcionamento das ações de forma efetiva, no enfrentamento aos crimes de Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes. Na pesquisa atual, foram identificados 3.651 pontos que podem ser perigosos para meninos e meninas em todo o país, mais da metade deles em locais críticos.

“Esses pontos podem classificados como diversos tipos, como postos de combustíveis, bares e até outros pontos comerciais que tem ao longo das estradas que, geralmente, favorecem a aglomeração de pessoas, em sua maioria homens, e que termina tendo, também a presença de menores para a exploração sexual infanto juvenil, facilitando, assim, a prática desse tipo de crime”, pontuou o inspetor Stênio Pires, superintendente da PRF no Piauí.

Stênio Pires, Superintendente da PRF no Piauí (Foto: Reprodução/ UFPI)Stênio Pires, Superintendente da PRF no Piauí (Foto: Reprodução/ UFPI)

Ainda, conforme os dados, a maioria dos locais mapeados no Piauí está situado nas BRs 343 e 135, no sul do Estado, tendo mais incidências nos trechos urbanos das rodovias que cortam os municípios de Teresina, Floriano e Bom Jesus. Entretanto, também. foi verificado um crescimento de 300% em pontos localizados em áreas rurais, saindo de nove para 36 locais vulneráveis, o que, segundo a PRF, seria consequência da pandemia da Covid-19.

“Com a pandemia, muitos estabelecimentos comerciais dentro das cidades foram fechados, então muitos desses jovens podem ter migrado para as estradas por que o transporte de cargas praticamente não parou em momento algum, ou seja, a movimentação nas rodovias não teve alterações com as medidas restritivas adotadas por estados e municípios”, detalhou o inspetor, acrescentando que os jovens, então, migraram para locais situados no interior como postos ou pequenos comércios.

Para a Childhood Brasil, que trabalha na elaboração dos dados com a PRF, a cada dois anos, é sempre importante ampliar o olhar sobre essas situações de risco antes que o crime aconteça. “Já que é uma situação, muitas vezes, invisível, tão pouco percebida pela população em geral, quanto mais a gente consiga mostrar esses pontos vulneráveis, maior será a efetividade da redução desse tipo de criem”, disse Eva Dengler, gerente de relações empresariais da Ong.

E são nos postos de combustíveis, mais precisamente nos estacionamentos, onde existem locais com pouca iluminação, que ocorrem a maioria do atos. Nesse sentido, o Ministério Público do Piauí faz um apelo para que caminheiros, bem como a sociedade em geral, possa fazer denúncias desse tipo de prática. De acordo com a promotora Joselisse Carvalho, da vara da infância e juventude, em muitos casos esses menores são agenciados por criminosos

“Muitas crianças e adolescentes são agenciadas por criminosos, que ganham sobre a exploração sexual, e elas acabam aceitando por influência da família como forma de ajudar na renda familiar. Então é muito importante que a população fique alerta para oferecem denúncias à Polícia Militar, por meio do 190, PRF ou até mesmo o Conselho Tutelar”, frisou, passando o recado, também, para os caminhoneiros que não compactuam com esse tipo de crime. “Não deixem que isso aconteça, denunciem”, disse.

Promotora Joselisse Carvalho (Foto: Divulgação)Promotora Joselisse Carvalho (Foto: Divulgação)

Por João Henrique Bezerra | Meio Norte 

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais