32.7 C
Piauí
18 de maio de 2022
Cidades em Foco
Destaque Geral

Farmácias registram baixa nos estoques de antibióticos e antitérmicos no Piauí

Foto: Arquivo/Cidadeverde.com

As farmácias no Piauí estão sofrendo com a falta de medicamentos essenciais para o tratamento de doenças como dengue, chikungunya, zika e gripe. O presidente do Sincofarma-PI (Sindicato do Comércio Varejista de Produtos Farmacêuticos do Piauí), Francisco Lopes, lamentou a situação e disse alguns fatores têm provocado a baixa nos estoques, entre eles a alta demanda provocada pelo aumento dos casos de dengue.

“Essa falta está acontecendo há um tempo e está se agravando. Não são todos os medicamentos, mas são alguns específicos, principalmente os mais usados nessa pandemia e contra as viroses, como dengue, chikungunya e zika”, destacou o presidente do Sincofarma-PI.

Entre os medicamentos em falta nas farmácias do Piauí estão antibióticos, como a amoxicilina líquido 250, 400 e 400 + clavulanato de potássio  e a azitromicina 600 e 900 mg. Outros exemplos citados pelo presidente do Sincofarma-PI são os analgésicos e antitérmicos, como a dipirona, solução novalgina, solução paracetamol criança e tylenol criança.

O sindicato ainda destaca que um outro fator responsável pela baixa nos estoques de medicamentos é a alta no dólar.

“A maioria das matérias primas são importadas. O dólar incide diretamente nessa dificuldade em conseguir insumos. E, como segundo fator, temos o consumo excessivo desses medicamentos em falta devido ao momento pontual dessas pandemias e viroses”, acrescentou o presidente do Sincofarma-PI.

Foto: Arquivo Pessoal 

Francisco Lopes estima ainda que há a possibilidade dessa falta de medicamentos demorar a se regularizar. Isso porque outro fator também tem se destacado nessa falta, como a dificuldade que a Índia está tendo para fazer a manutenção dos insumos.

“80% dos insumos são importados da Índia. E ela está com dificuldades em fazer essa manutenção, não só para o Brasil, mas para os demais países”, completou Francisco Lopes.

Devido a essa situação, os médicos estão precisando receitar a pacientes remédios similares como segunda opção para que o paciente consiga se medicar, caso não encontre o remédio receitado.

Fonte: Nataniel Lima / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais