32.2 C
Piauí
9 de agosto de 2022
Cidades em Foco
DestaqueGeral

Flávio Nogueira afirma que proposta que fixa ICMS é eleitoreira e empobrece estados do Nordeste

Foto: Paula Sampaio

O deputado federal Flávio Nogueira (PT) classificou como uma medida “eleitoreira” o projeto de lei que limita a 17% as alíquotas do ICMS, que é cobrado pelos estados. Para o parlamentar, o objetivo da proposta é empobrecer estados do Nordeste que estão na oposição ao presidente Jair Bolsonaro (PL) e apoiando o pré-candidato Lula (PL).

Ele ainda acrescentou que uma eventual aprovação gerará atraso em pagamentos de servidores públicos.

Flávio Nogueira relembrou que a maior parte das receitas de estados do Nordeste vem da arrecadação feita através do ICMS. O parlamentar também pontuou que o orçamento dos estados foi feito levando-se em conta essa receita. Portanto, na avaliação dele, existe o risco da aprovação da medida gerar dificuldade para governadores manterem pagamentos a servidores em dia.

“É uma proposição eleitoreira do governo federal no intuito de empobrecer mais os estados do Nordeste. Todo mundo sabe que a maior parte da receita dos estados do Nordeste é o ICMS, que paga o funcionalismo público. A pouco votando o teto salarial de professores e enfermeiros, profissionais de saúde e era baseado nisso, na receita. É esse orçamento que diz se o estado pode dar aumento ou não […] se isso acontecer é capaz que haja atraso no pagamento de servidores públicos. Por que de onde virá o dinheiro para pagar?”, explicou.

O deputado ainda acrescentou que não é o ICMS que faz com que o preço dos combustíveis aumente ou diminua. Segundo ele, o problema está na política de preços da Petrobras, que funciona em dólar.

Flávio Nogueira também fez críticas ao ministério da Fazenda Paulo Guedes. Para o deputado, o ministro está perdido e é também responsável pela alta no preço de combustíveis.

“O ministro da Fazendo está perdido feito uma biruta e não consegue colocar o preço do combustível como era antes. Ele está indo para os Estados Unidos, o problema não é lá não. É aqui. Ele chega nos Estados Unidos para mostrar que é inteligente. Quero que ele fale português para explicar porque ele não baixa o preço da energia elétrica”, disse.

Fonte: Paula Sampaio / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais