21.1 C
Piauí
6 de junho de 2020
Cidades em Foco
Entretenimento Geral

Fotógrafos piauienses ganham concurso ao retratar pandemia em Teresina

Os fotógrafos piauienses Thiago Amaral e Maurício Pokemon são dois dos vencedores do concurso nacional Arte com Respiro: múltiplos editais de emergência, do Itaú Cultural. Eles estão entre os 40 selecionados dentre os mais de 8 mil inscritos no concurso. O resultado foi divulgado nesta quarta-feira (20).

Amaral trabalha com fotografia profissional há 15 anos. Ele relata que o concurso tinha como foco retratar as novas rotinas criadas a partir da pandemia do novo coronavírus no Brasil.

A série fotográfica apresentada pelo Amaral demonstra o sentimento de fé e esperança dos moradores do bairro Santa Fé, na zona Sul de Teresina. Vizinhos rezam – cada um em suas portas – pedindo a cura da doença e o fim da pandemia.

“Tivemos essa mudança: antes o comum era as pessoas irem até as igrejas, mas, devido a necessidade de evitar aglomeração, que é uma das recomendações para reduzir a transmissão do novo coronavírus, as pessoas que tinham esse costume passaram a fazer as orações na frente das suas casas já que também o recomendado é não receber visitas “.

Amaral também relata que devido a pandemia muitos trabalhos precisaram ter a data adiada. “Participar desse concurso também foi uma oportunidade de fazer aquilo que eu amo, além de documentar essa nova realidade. O tema do trabalho era falar dessa suspensão social provocada pela pandemia e o impacto desse atual momento na vida em sociedade”.

Para fazer as fotografias, o fotógrafo ressaltou que obedeceu os critérios de prevenção recomendados pela Organização Mundial de Saúde, como o uso de luvas, máscara e álcool em gel.

A série ganhou o prêmio no valor de R$ 3 mil. Desse valor, Amaral irá doar R$ 1 mil para a compra e distribuição de cestas básicas a serem doadas às famílias carentes.


Série “dá vontade de ver o mar onde ele não está” (Maurício Pokemon)

Revisitar o passado

Já o fotógrafo Maurício Pokemon venceu o edital emergencial com uma série fotográfica que revisita o seu passado. A proposta está mais voltada pelo momento de isolamento social vivido pelo fotógrafo. O título do trablho é “dá vontade de ver o mar onde ele não está”.

“Esse período de quarentena, de isolamento, chegou para todos nós e ninguém esperava. A minha primeira ação com relação a isso foi revisitar os meus arquivos de trabalho, meu material analógico e digital. Não produzi nada novo, esse está sendo um período para me reorganizar e repensar a vida e os hábitos”.

A série é um presente para os avós, diz Maurício. Eles têm mais de 80 anos, moram em Angical e nunca viram o mar. “Em um dos meus arquivos, comecei a trabalhar com um filme queimado em que uma linha entrou mais lembrando a sensação de olhar para o mar”.

“Essa série é uma revista a esses  arquivos. Dei um superzoom nas imagens analógicas e vou enviar aos meus avós. É uma série ludicamente falando de como seria a imagem sobre o mar. É bem pessoal sobre revisitar o meu passado, sbbre esse isolamento, a saudade de ver os meus avós, de estar juntos, o maior contato com a natureza”.


Série “dá vontade de ver o mar onde ele não está” (Maurício Pokemon)

  • f9.jpgThiago Amaral
  • f8.jpgThiago Amaral
  • f7.jpgThiago Amaral
  • f6.jpgThiago Amaral
  • f5.jpgThiago Amaral
  • f4.jpgThiago Amaral
  • f3.jpgThiago Amaral
  • f2.jpgThiago Amaral
  • f1.jpgThiago Amaral

Fonte: Carlienne Carpaso / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais