27.3 C
Piauí
9 de julho de 2020
Cidades em Foco
Destaque Economia Geral

Funcionários do setor Covid-19 do Hospital de Floriano ameaçam demissão em massa

Foto: Ascom/Sesapi

Os funcionários temporários do setor Covid-19 do Hospital Regional Tibério Nunes, em Floriano, emitiram carta aberta à Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) onde ameaçam entregar os cargos. Eles ingressaram na unidade de saúde através do Edital de Chamamento Público Simplificado Nº01/2020 e afirmam que não receberam o adicional de insalubridade de 40%.

“Nosso trabalho deu início dia 1º de abril.  Hoje, com 2 meses de atividades, somos surpreendidos que não iremos receber o acordo de 40%. Nós estamos na linha de frente, deixamos nossas casas, deixamos nossas famílias, tudo isso para um bem comum: cuidar de pessoas. Temos nossas despesas aumentadas em função de não estarmos no conforto de nosso lar.  Colocamos em risco nossa saúde e saúde da nossa família. É com grande tristeza que vemos a importância que esta sendo dada a quem , em meio ao caos, decidiu enfrentar a pandemia mesmo com medo”, diz a carta.

Os trabalhadores também criticam que, um mês após a publicação do edital de chamamento público, a Sesapi emitiu errata afirmando que o percentual de insalubridade poderia chegar até 40%.

“Configurando um ato capcioso  e desrespeitosos contra todos candidatos. Retificação de seleções devem ser feitas imediatamente após a publicação do mesmo para que todos possam acompanhar e estar cientes das regras”, critica a carta.

A carta é assinada por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, maqueiros , serviços gerais, recepcionistas e tecnólogos.

As categorias cobram uma resposta da Sesapi até esta sexta-feira (5). Caso  contrário, a expectativa é que haja um pedido de demissão em massa na próxima segunda-feira (8).

A Sesapi informou ao Cidadeverde.com que o o pagamento de 40% de insalubridade é de responsabilidade  da  Secretaria de Administração e Previdência- SeadPrev e informou apenas que  regime estatutário, que rege o serviço público, define os percentuais de 5%, 10% e 20% como parâmetros para pagamento desse adicional. “O percentual é verificado caso a caso, de acordo com o grau de risco da função e o ambiente de trabalho. Os valores obedecem a um teto, conforme orientação do Tribunal de Contas do Estado, por meio do Acórdão n. 2504/15”.

Já a SeadPrev garante que não tem gerência sobre esta questão. “O edital de chamamento foi feito pela Sesapi prevendo 40% pra insalubridade, mas tem uma lei que regula esse percentual. Além disso, o Fundo da Saúde para a COVID é administrado diretamente pela Sesapi”, explica a secretaria.

Veja a carta

Fonte: Izabella Pimentel / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais