23.2 C
Piauí
12 de novembro de 2019
Cidades em Foco
Geral Política

Governador defende ressocialização e critica discurso do “bandido morto”

O governador Wellington Dias (PT) participou da inauguração do Central Integrada de Alternativas Penais (Ciap) do Estado do Piauí, no Fórum Cível e Criminal de Teresina. Durante entrevista, ele destacou a importância dos programas de ressocialização para reduzir a população carcerária do Piauí.

Wellington Dias fez críticas ao discurso de que “bandido bom é bandido morto”. E afirma que a sociedade se engana ao pensar que a prisão resolve o problema da criminalidade no país.

“Temos uma decisão a tomar. Uma primeira constatação que disse aqui é que vivemos no Brasil provavelmente a maior e mais longa guerra civil. Às vezes nem percebemos isso. Se olhar que 61 mil pessoas são mortas a bala, paulada, facada, ou seja, de morte violenta. Percebemos o tamanho da guerra civil. É mais homicídios e mortes maiores do que na Faixa de Gaza, na Turquia e regiões que declaram guerras. Não há uma guerra declarada. A solução que a população aponta é mandar prender todo mundo, de preferência matar e não soltar mais.  Esse não é um pensamento humano e cristão. Não é um pensamento de quem se importante com o outro. A sociedade também tem culpa”, afirmou.

Para Wellington Dias, a inauguração da ampliação da Ciap mostra uma sintonia de discursos entre o Poder Judiciário e o Estado.

“Inauguramos uma área que vai centralizar o mais importante instrumento para sairmos desse caminho. O Piauí vive uma sintonia entre Poder Executivo e Poder Judiciário e tudo que faz esse sistema. Era para estarem no sistema prisional do Piauí mais ou menos 8. 300 pessoas. Temos 5. 100. Desses 5.100 temos 400 com tornozeleira eletrônica e cai para 4.700 pessoas. É um passo importante. Grande parte dessas pessoas estão estudando e trabalhando. Se reencontrando com a vida. Com a operação de crédito vamos dar passos importantes reorganizando e modernizando nosso sistema. Vamos evitar que as pessoas entrem no crime, mas se entrar no crime, possa sair melhor do que entrou e não o contrário como ainda ocorrer”, destacou.

De acordo com a coordenador do Ciap, Geracina Olímpio de Melo, o Piauí fortalece as políticas de ressocialização.

“Haverá o fortalecimento da política de alternativa penais que já existem no Piauí. Atendemos cerca de 3 mil pessoas e o objetivo é reduzir a população carcerária para que essas pessoas possam ser inseridas na sociedade. Trabalhamos pela ressocialização. Nosso trabalho é de prevenção da criminalidade. Antes tínhamos três salas. Hoje são noves. Isso também passa pela conscientização dos juízes sobre as penas alternativas”, explicou.

Fonte: Lídia Brito / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais