28.2 C
Piauí
4 de dezembro de 2020
Cidades em Foco
Geral Política

Governadores escolhem Wellington Dias para articular vacinação da covid no país

Foto Roberta Aline

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), assumiu a coordenação dos governadores no tema da vacinação contra a Covid-19 no Brasil, e enviou uma carta ao presidente do Senado Federal, senador Davi Alcolumbre (DEM-AP), nesta terça (27), solicitando uma reunião para tratar do tema, considerado por ele como prioridade.

Recentemente, Wellington Dias assumiu a presidência do Consórcio Nordeste. Wellington Dias também protocolou pedido de audiência com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Os governadores tentam diálogo com o Governo Federal após a crise envolvendo o presidente da República Jair Bolsonaro com o ministro Eduardo Pazuello, sobre a compra de vacinas contra o novo coronavírus. Bolsonaro desautorizou a compra e disse que não compraria a vacina produzida no Butantan, desenvolvida por tecnologia chinesa.

Na carta, Wellington Dias tenta tomar distância do conflito político entre o presidente Jair Bolsonaro e o governador João Doria (PSDB), que se coloca como possível rival de Bolsonaro em 2022.

No documento, os governadores têm “disposição de seguir dialogando para implementação da melhor proposta para o povo brasileiro, com base no Plano Nacional de Vacinação e Programa Nacional de Imunização, conforme aprovado”.

Os governadores querem que a União não restrinja fornecedores da vacina e compre tão logo elas fiquem prontas. Além da coronavac feita no Butantan, o governo federal aplicou recursos na produção da vacina de Oxford, na Fiocruz.

“Manifestamos, em nome dos governadores, um compromisso com o diálogo e com o Plano Nacional de Estratégia para a vacinação aprovado no último dia 20 de outubro”

O governador ressalta que busca a instalação da comissão técnica, responsável por apresentar toda a estratégia de imunização contra o coronavírus, até o dia 30 de novembro. “A primeira vacina que tiver autorização científica, é esta que devemos utilizar no Brasil”, defende.

“Nossa disposição é de trabalhar no caminho do diálogo entre municípios, governos dos estados, governo federal, Congresso Nacional, cientistas e setor privado”.

Carlienne Carpaso (com informações da Agência Folha e Governo do Piauí)

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais