32.8 C
Jacobina do Piauí
29 de setembro de 2023
Cidades em Foco
ConcursosGeral

Governo abrirá 29 mil cargos públicos em 2015. Veja!

Este ano pode ser promissor para quem deseja conseguir um trabalho no setor público. A expectativa é que haja mais vagas em 2015, porque em 2014 foram realizados concursos com índice menor de postos oferecidos -o maior teve cerca de 700, em um total de 20 mil criados.

 

A LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2015 prevê a criação de 28.957 cargos, fora as vagas de reposição, em caso de aposentadoria ou demissão do servidor.

 

Desse total, 13.974 são para o Poder Executivo, Banco Central, Receita Federal, Ministério da Fazenda e INSS. Outras cerca de 15 mil vagas são para a área de Justiça, como tribunais (9.177), Defensoria Pública (3.897) e Ministério Público da União (1.879).

 

Entretanto, a concorrência também deve aumentar, em razão do quadro de estagnação econômica. “Quando a economia dá sinais de problemas, é normal que as pessoas se voltem para a carreira pública. Então, 2015 será um ano com muitos concursos, mas também com muitos concorrentes”, diz Marco Antônio Araújo Jr., vice-presidente do Damásio Educacional e presidente da Anpac (Associação Nacional de Proteção e Apoio aos Concursos).

 

Para ele, a expectativa de cortes de gastos do governo federal não deve influenciar o quadro. “É um discurso padrão porque vagas públicas são sempre motivo de discórdia com a população, mas é algo que efetivamente é difícil de ser cortado. No máximo, o número de vagas previstas pode diminuir”, opina.

 

Entre as provas mais aguardadas estão as da Receita Federal, que deverá oferecer 2.000 vagas de nível superior com salários entre R$ 9.172 e R$ 15.339. No ano passado, o órgão abriu concurso para vagas de nível médio com apenas 278 vagas.

 

O INSS também terá número de oportunidades recorde: serão quase 5.000 com opções para nível médio e superior com remuneração inicial de R$ 4.401 a R$ 10.057. Essa previsão de vagas pode sofrer alterações, mas a expectativa é que cada um desses concursos tenha 1,5 milhão de inscritos.

 

ESTRATÉGIA
“É comum que os candidatos optem por cargos com menor concorrência e salário um pouco mais baixo, para poderem já conseguir uma vaga no setor público e terem mais tempo de estudar para as vagas mais concorridas”, diz Evandro Guedes, presidente-executivo do site de aulas on-line Alfacon.

 

Dentro dessa meta, quem quer concorrer a um cargo de nível médio pode buscar as provas do IBGE, que terá mil para técnico em informações geográficas e estatísticas, com remuneração de R$ 3.000, ou optar pela vaga que exige ensino superior, de analista e tecnologista, com salário de R$ 7.000.

 

Foi apostando em cargos mais baixos que a técnica judiciária Jackeline Campos, 36, conseguiu abrir a primeira porta na carreira pública. Ela trabalhou como técnica e analista no Tribunal de Justiça de Pernambuco e é servidora pública da Justiça Federal de São Paulo há três anos.

 

No entanto, ela segue estudando para tentar uma vaga de magistratura. “Estudar tem um custo alto: são inscrições caras, livros, cursos, viagens para fazer prova, então precisava de recursos para me manter. Hoje parte de minha remuneração é para custear meu sonho”, diz.

 

 

 

Fonte: FolhaPress

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais