23.2 C
Piauí
12 de novembro de 2019
Cidades em Foco
Geral Política

Governo entrega à Assembleia projetos complementares sobre regularização fundiária

O secretário de Governo, Osmar Júnior,  entregou à Assembleia Legislativa do Estado as mensagens de projetos complementares do Programa de Regularização Fundiária. Ele destacou a importância do projeto para garantir a segurança jurídica em regiões como o Cerrado, contribuindo para questões como crédito e aumento da produção.

Trata-se da Proposta de Emenda Constitucional que insere na redação do artigo 7 do Ato de Disposições Constitucionais Transitórias, o parágrafo cujo teor possibilita que os interessados pleiteiam o reconhecimento de titularidade das terras que, apesar de adquiridas de boa-fé, haja questionamento sobre a aptidão do título.

A proposta tem levantado discussões na Casa. O governo tentou pedir caráter de urgência, mas depois de pressão de grupos de produtores da região do Cerrado recuou. O relator João Madison afirma que o projeto terá trâmite normal.

“Tudo será feito com calma. Não temos pressa. É uma discussão importante que a Casa analisa e na hora certa o texto será votado nas comissões e, em seguida, no plenário”, afirmou.

A PEC remete à Lei Complementar a regulamentação do procedimento a ser seguido para que o Estado reconheça a titularidade. E já apresenta alguns requisitos, entre os quais, além da aquisição de boa-fé e do pagamento pertinente à área a ser reconhecida, o prazo temporal da abertura de matrícula, que deve ser anterior a 28 de setembro de 2010; o georreferenciamento certificado nos termos da legislação federal, com cadastramento no Incra; a inexistência de disputa judicial sobre o imóvel rural a ser reconhecido; a demonstração da prática da cultura efetiva e de observância à legislação ambiental e, ainda, que o imóvel rural não se sobreponha a territórios tradicionais.

A segunda mensagem submete à apreciação da Assembleia o projeto de lei que regulamenta o reconhecimento de domínio. A proposição basicamente repete os requisitos nacionais, acrescentando regras procedimentais em relação aos pedidos que poderão tramitar perante o Interpi. “São medidas que complementam a política estadual de Regularização Fundiária, na medida em que visa conferir segurança jurídica especialmente àqueles que praticam cultura efetiva em suas terras, mas que ainda se ressentem de questionamentos sobre o título aquisitivo, o que termina por inibir o maior desenvolvimento agropecuário no Estado”, observa o governador Wellington Dias, que assina os documentos.

Fonte: Cidade Verde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais