31.4 C
Piauí
29 de junho de 2022
Cidades em Foco
Destaque Geral

Homem é morto com ‘mata-leão’ após invadir casa da ex-mulher e brigar com atual namorado no Piauí

IML [Instituto Médico Legal] / Foto: Roberta Aline - CidadeVerde

Um homem foi morto na noite de segunda-feira (17) após invadir a residência da ex-mulher, fazer ameaças de morte e entrar em uma briga com o atual namorado da ex, no bairro Angelim III, na Zona Sul de Teresina.

A Polícia Militar informou que o caso ocorreu por volta das 23h30 de segunda-feira, quando o homem invadiu na residência da ex-mulher, de quem era separado há um ano e tinha uma filha de 4 anos. Ele pulou o muro e desligou a energia da casa pela chave central. A mulher, a filha e o atual companheiro se trancaram em um quarto, mas a porta foi quebrada pelo invasor.

“Dentro da casa a família se trancou no quarto, e ligou para o 190, mas ele conseguiu também quebrar a porta do quarto. Ao ver o atual namorado, ficou com mais raiva e falou que iria matar todos os dois, inclusive a filha de aproximadamente 4 anos. Ele começou agredir a ex-companheira e o namorado teve que fazer um mata leão”, informou a PM.

Segundo o comandante da 2ª Companhia do Promorar, capitão Sousa Lima, o Samu chegou a ser acionado, mas quando chegou no local, constatou a morte após ele receber o golpe que causa asfixia. A perícia criminal foi acionada e o Instituto de Medicina Legal (IML) de Teresina fez a remoção do corpo.

O namorado da mulher foi encaminhado para a Central de Flagrantes, onde prestou depoimento e já foi liberado. “O casal foi levado para a delegacia, mas o delegado entendeu que foi legítima defesa, por isso o rapaz foi liberado após prestar depoimento”, informou o capitão Sousa Lima

O capitão informou que antes do crime o homem já tinha tentado entrar na residência da ex-mulher.

“A maioria das situações de feminicídio é desse tipo, onde tem a separação e o homem não aceita. Nesse caso ele, tinha tentado entrar na casa dela antes de anteontem e já tinha feito algumas ameaças. É importante que as mulheres procurem as delegacias especializadas, relatem o que está acontecendo, para que sejam adotadas medidas”, afirmou.

Fonte: G1-PI

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais