24.8 C
Piauí
6 de dezembro de 2022
Cidades em Foco
GeralPolíciaSertão do Inhamuns em Foco

Homem é suspeito de matar amigo após beber chá alucinógeno

Polícia Civil - Foto: Divulgação/PC-PI

A Polícia Civil do Pará está investigando a morte de um engenheiro civil mineiro assassinado a facadas em um ritual religioso no município de Parauapebas, no sudeste do estado. O suspeito do crime teria ingerido um chá alucinógeno momentos antes do assassinato. O caso ocorreu na terça-feira (15), em uma casa no bairro Jardim Canadá.

Segundo as primeiras informações apuradas pela polícia, a vítima e um casal estavam participando do ritual religioso, quando o suspeito do crime, um homem de 38 anos, ingeriu o chá.

O suspeito teria tido um surto e dito que iria oferecer Felipe Marciano Pereira da Cruz, 37, como “sacrifício”. Na sequência, ele teria desferido várias facadas no engenheiro. A vítima chegou a ser socorrida, mas não resistiu aos ferimentos. O suspeito fugiu do local.

Em vistoria nos cômodos da casa, a polícia revelou que existem indícios de que o local era usado em rituais de sacrifício, mas não deu detalhes se eles eram de pessoas ou de animais.

À reportagem a família da vítima contou que o engenheiro morava no Pará há mais de 10 anos. Ele veio ao estado para trabalhar e, atualmente, trabalhava como gerente de obras em uma empreiteira da região.

A família conta que soube do fato através da empresa em que ele trabalhava. “A empresa nos comunicou que o Felipe havia sido morto a facadas em um ritual religioso. Tudo que soubemos depois foi através das redes sociais. A polícia entrou em contato, mas só nos disse que há várias linhas de investigação e que não poderia informar quais eram”, contou o irmão da vítima, o professor Rafael Marciano.

O irmão do engenheiro disse que toda a família, sendo os pais e mais seis irmãos, moram na cidade de Itamonte (MG) e que Felipe não tinha parentes no Pará.

TRANQUILO E RESERVADO

De acordo com o irmão do engenheiro, a vítima era reservada e não falava sobre religião com a família. “Ele sempre foi fechado. Nossa comunicação sempre foi de longe. Fica difícil saber se isso aconteceu. Se a gente perguntasse se ele frequentava algum lugar assim, ele não falaria. Sempre guardou essas informações para si”.

A notícia da morte de forma violenta foi um choque para a família. “Ele sempre foi uma pessoa tranquila, que conversava com todo mundo, nunca brigou com ninguém ou teve inimigos. A gente não consegue entender a motivação de um crime desse”, lamentou o irmão.

O corpo de Felipe Marciano está sendo levado para Minas Gerais e deve chegar na manhã de sexta-feira (18). O sepultamento será no mesmo dia em um cemitério da cidade de Itamonte.

Em nota, a Polícia Civil informou que o caso está sendo investigado por meio da Delegacia de Homicídios de Parauapebas. As apurações estão sendo realizadas a fim de levantar informações sobre motivação e autoria do crime. Informações que auxiliem nas investigações podem ser repassadas pelo disque denúncia 181.

Fonte: Folhapress (Luciana Cavalcante)

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais