23.6 C
Piauí
16 de julho de 2019
Cidades em Foco
Geral Política

Impeachment: senadores divergem sobre conclusão da perícia

A conclusão da junta pericial causou divergências entre os senadores da Comissão Especial do Impeachment na reunião desta segunda-feira (27). Enquanto os senadores governistas entendem que a conclusão da junta reforça o pedido de impeachment, o entendimento dos senadores ligados à presidente afastada, Dilma Rousseff, vai na direção oposta.

Para a junta, três decretos de abertura de créditos suplementares baixados em 2015 pela presidente Dilma Rousseff promoveram alterações na programação orçamentária incompatíveis com a obtenção da meta de resultado primário vigente à época. Os peritos concluíram também que os atrasos nos pagamentos devidos pelo Tesouro Nacional ao Banco do Brasil, por conta de subvenções do Plano Safra, constituem operação de crédito, tendo a União como devedora, “o que afronta ao disposto no art. 36 da LRF” [Lei de Responsabilidade Fiscal]. Entretanto, a junta não identificou ato comissivo da presidente “que tenha contribuído direta ou imediatamente para que ocorressem os atrasos nos pagamentos”.

O senador José Pimentel (PT-CE) destacou que a perícia não identificou ato de Dilma para os atrasos de pagamento do governo. O senador frisou que não é possível punir alguém sem o ato de um crime. O senador Lindbergh Farias (PT-RJ) tem a mesma opinião do colega de partido. Ele acrescentou que, no caso de decretos de crédito suplementar, os peritos reconheceram que Dilma não foi avisada da incompatibilidade com a meta fiscal.

– Está claro que não há crime de responsabilidade por parte de Dilma – afirmou Lindbergh.

O senador Alvaro Dias (PV-PR) se disse surpreendido com os argumentos de alguns senadores de que a perícia enfraqueceria a tese de impeachment, já que “a conclusão é que houve operação de crédito” – o que, para ele, significa constatar crime de responsabilidade. Já o senador Ronaldo Caiado (DEM-GO) elogiou os peritos e registrou que o trabalho da junta foi claro ao identificar as pedaladas, “um desrespeito à Lei de Responsabilidade, usando o Banco do Brasil”.

Para o senador José Medeiros (PSD-MT), o resultado da perícia é “uma bomba” na estratégia da defesa. Na mesma linha, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) disse que o que seria um instrumento da defesa agora reforça a acusação. Ele disse que a conclusão da junta mostra o desrespeito do governo Dilma à Constituição.

– As chamadas pedaladas fiscais foram, sim, empréstimos bancários. Quanto à autoria, não precisa ser perito para saber que no Diário Oficial saiu a assinatura da presidente Dilma Rousseff – declarou Cássio Cunha Lima.

Consultores

A junta foi formada a pedido da defesa, para examinar os documentos que foram a base do pedido de impeachment. É formada pelos consultores Diego Prandino Alves e João Henrique Pederiva, da Consultoria de Orçamentos, Fiscalização e Controle do Senado, e por Fernando Álvaro Leão Rincon, diretor-adjunto da Secretaria de Finanças, Orçamento e Contabilidade do Senado. Mais cedo, a junta entregou a conclusão dos seus trabalhos ao secretário-geral da Mesa do Senado, Luiz Fernando Bandeira de Melo.

Fonte: Agência Senado

Notícias relacionadas

Piauí vence Miss Brasil Mundo 2018 e Estado tem título pela primeira vez

Junior Oliveira

Governo federal reconhece situação de emergência em cidades do Piauí

Junior Oliveira

Atletismo, handebol e natação representam o Piauí nos JUBs

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais