25.4 C
Piauí
27 de junho de 2022
Cidades em Foco
Geral Polícia

Juíza determina soltura de suspeitos de execução pelo ‘Tribunal do Crime’ no Piauí

Foto: Reprodução/WhatsApp

A juíza Maria Zilnar Coutinho Leal, da 2ª Vara do Tribunal Popular do Júri de Teresina, determinou a soltura dos três suspeitos pelo homicídio de Robert dos Santos Mendes, de 18 anos, pelo “Tribunal do Crime”. A decisão foi publicada no Diário Oficial do Tribunal de Justiça do Piauí de 18 de maio.

O Ministério Público denunciou os três suspeitos, afirmando que no dia 8 de março de 2021, por volta das 11h50, no interior de uma construção no bairro São Pedro, executaram Robert dos Santos Mendes após ele ter sido sequestrado e torturado.

Antes de ser morto foram gravados alguns vídeos da vítima sendo ameaçada pelos suspeitos do crime, onde segundo o MP, “foi submetida a um primeiro julgamento pelo Tribunal do Crime, razão pela qual o vídeo foi gravado, a fim de que as lideranças deliberassem (via aplicativo de mensagens) qual seria a ‘pena’ de Robert”.

O crime teria ocorrido porque uma mulher de uma facção afirmou para os acusados, que Robert teria forçado um relacionamento com ela e que ele seria membro de uma facção rival.

Na decisão, a juíza afirmou que não existem provas suficientes para determinar que os três participaram do crime. “No que diz respeito à autoria do referido homicídio, tenho que, das provas colhidas sob o crivo do contraditório, não se extraem indícios suficientes que apontem para os acusados a respectiva autoria. Acrescente-se que os três acusados negam a autoria/participação no cometimento do referido homicídio e as testemunhas e informantes ouvidas sob o crivo do contraditório, nada souberam esclarecer quanto à autoria do citado delito”, destacou a juíza Maria Zilnar.

Ela ainda explicou que para o caso ser encaminhado para julgamento pelo Tribunal do Júri são necessárias provas robustas. Pontuou ainda que o vídeo gravado com as ameaças contra a vítima, “não foi inserido nestes autos e via de consequência, não foi objeto de perícia. De forma que não é possível considera-se tais imagens, como sendo dos acusados e de que aquele encontro seja de uma organização criminosa e menos ainda, de momento de consumação do crime de homicídio tratado nestes autos”.

A juíza Maria Zilnar decidiu então pela impronúncia dos suspeitos e ainda determinou que sejam expedidos os alvarás de soltura, para que sejam colocados em liberdade.

A decisão ainda cabe recurso por parte do Ministério Público do Piauí.

Da Redação / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais