35.4 C
Piauí
3 de dezembro de 2021
Cidades em Foco
Destaque Geral

Justiça do Piauí marca julgamento de mãe e irmão de advogada morta a facadas um ano após o crime

Advogada Izadora Santos Mourão, de 41 anos, é encontrada morta dentro de quarto em Pedro II — Foto: Reprodução

A Justiça marcou o julgamento da mãe e do irmão da advogada Izadora Mourão, morta com sete facadas no município de Pedro II, a 195 km de Teresina, para 15 de fevereiro de 2022, dois dias depois em que o crime completará um ano. Maria Nerci e João Paulo Mourão foram indiciados pelo assassinato da advogada – configurado como feminicídio. Eles também foram pronunciados ao Tribunal do Júri. O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) concluir o inquérito sobre o caso 20 dias após a morte de Izadora.

Izadora Mourão foi encontrada morta dentro do quarto do irmão. Ela foi atingida por nove golpes de faca. As investigações apontam que o irmão, o jornalista João Paulo Mourão, após matar a advogada foi dormir no quarto da mãe. Ele está preso desde o dia 15 de fevereiro.

A audiência de instrução e julgamento ocorreu no dia 23 de junho e na época a aposentada Maria Nerci Mourão assumiu a autoria do assassinato da filha. A defesa de Maria Nerci e do irmão da vítima, o advogado e jornalista João Paulo Mourão, sustenta que apenas a mãe teria participado do crime. No entanto, ambos foram pronunciado pelo crime de feminicídio.

O juiz da 2ª Vara de Pedro II, Diego Ricardo Melo de Almeida, retirou o processo de segredo de justiça. O Ministério Público havia solicitado durante a audiência de instrução.

Para o julgamento de fevereiro, o MP solicitou as armas utilizadas no crime, a colcha de cama utilizada pela vítima no momento do crime, vestido branco estampado utilizado no crime pela denunciada Maria Nercí e a carta arrecadada na residência, para exibição ao Conselho de Sentença que será formado no dia do Júri.

Polícia indiciou mãe e irmão pelo crime

O coordenador do DHPP, Franscico Baretta, a mãe, ao encontrar a filha machucada no quarto, ligou para a empregada doméstica da casa pedindo para que ela dissesse que uma mulher havia entrado na residência e que João Paulo estava dormindo. A polícia, entretanto, não deu detalhes sobre como teria sido esse contato da mãe com a empregada.

Segundo o delegado Francisco Costa, o Barêtta, coordenador do DHPP, informou que João Paulo Mourão, irmão de Izadora, foi indiciado por homicídio triplamente qualificado por motivo torpe, método que impossibilitou a defesa da vítima e por feminicídio.

Já a mãe de Izadora, Maria Nerci, foi indiciada como coautora do crime. Ela deve responder ainda por fraude processual, de acordo com o coordenador do DHPP.

Ainda de acordo com o delegado Barêtta, a Comarca de Pedro II decretou sigilo sobre as investigações. A medida foi tomada por conta da grande repercussão do caso, e visa evitar boatos e erros que possam atrapalhar o curso do processo.

“O crime foi elucidado, e com a motivação, e tudo isso foi apresentado à Justiça, que vai analisar. Nunca vamos a um local de crime preocupado com o nome do autor, mas com as circunstâncias em que aquele crime ocorreu. Porque no curso da investigação, quando se chega ao criminoso, já temos a certeza e as provas para incriminá-lo”, declarou Barêtta.

Fonte: G1-PI

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais