28.9 C
Piauí
24 de outubro de 2020
Cidades em Foco
Geral Polícia

Justiça do Piauí não reconhece vínculo entre PM e empresa

A 3ª Vara do Trabalho de Teresina-Piauí julgou  improcedente a reclamação trabalhista em que um policial militar buscava o reconhecimento de vínculo com um restaurante da capital.

O autor  do  pedido, que é policial militar, pretendia o reconhecimento do vínculo empregatício, afirmando que foi admitido pelo restaurante contratante para exercer a função de segurança, tendo sido demitido, sem justa causa, em 28 de novembro de 2016, sem as devidas anotações em sua carteira de trabalho e previdência social. O mesmo também alegou que não recebeu o pagamento das verbas rescisórias.

O advogado Ézio Amaral, sócio do escritório Amaral, Melo & Portella, atuou na defesa do restaurante e sustentou a inexistência do vínculo empregatício, pois não foram satisfeitos os requisitos caracterizadores da relação de emprego, estando ausente a pessoalidade e a subordinação. O prestador de serviço podia ser substituído por outro profissional, sem a necessária anuência da empresa e, ainda, tinha liberdade para prestar seus serviços da melhor forma que lhe aprouvesse.

A única testemunha ouvida afirmou que não havia pessoalidade na prestação dos serviços, sendo que o reclamante poderia ser substituído por outro profissional.

Ao analisar o conjunto fático-probatório, o Juiz de Trabalho concluiu, que na ação trabalhista, movida pelo policial militar, não estavam evidenciados os elementos caracterizadores da relação de emprego, destacando na fundamentação da sentença o seguinte. “Para que seja configurada a relação de emprego, devem estar presentes as características constantes no art. 3° da CLT, quais sejam: remuneração, porque todo trabalho merece uma contraprestação; não eventualidade, porque o serviço prestado deve ter certa periodicidade; pessoalidade, posto que o contrato é intuitu personae, e, finalmente, subordinação, visto que o empregado e empregador  estão em situações distintas, um comandando a execução do pacto e o outro cumprindo as ordens deste”, registrou o Magistrado.

 

Fonte:CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais