32.4 C
Piauí
29 de janeiro de 2020
Cidades em Foco
Destaque Educação Geral

Justiça suspende empréstimo de R$ 750 milhões que anteciparia Fundef para o Piauí

A Justiça Federal suspendeu a possibilidade do governo do estado realizar um empréstimo para antecipar o recebimento do precatório do extinto Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef).

A ideia do governo era antecipar o recebimento de 50% do valor – avaliado em R$ 1,5 bilhão – via empréstimo. A União informou o estado que só iria pagar até dezembro de 2020. O governo não quer esperar todo esse tempo. Se o empréstimo fosse autorizado, o estado receberia no próximo ano cerca de R$ 750 milhões.

O Ministério Público Federal é contra a antecipação e ingressou com ação e ganhou. O estado não poderá fazer a licitação para a escolha do banco que irá fazer o empréstimo até uma autorização do Ministério da Fazenda.

A Justiça acolheu os argumentos do MPF sobre a necessidade de urgência na decisão considerando que a concorrência estava marcada para o dia 23 de dezembro de 2019 e a disponibilização do crédito no dia 30 de dezembro de 2019.

Pela concorrência aberta pelo governo o deságio é da ordem de aproximadamente de R$ 197 milhões.

Para o MPF, a transação deve ser submetido à autorização do Ministério da Fazenda porque se trata de operação de crédito, conforme dispõe o art. 32 da LRF.

“A Lei de Responsabilidade Fiscal determina expressamente que qualquer operação de crédito a ser realizada por ente federativo deve ser submetida ao Ministério da Fazenda para que se verifique se a saúde financeira do ente permite o endividamento, bem como se a operação se justifica do ponto de vista do interesse social e econômico e da relação custo-benefício. A preocupação da Lei de Responsabilidade Fiscal é de criar parâmetros e limites para o endividamento público, de forma que os entes não assumam dívidas que não tenham capacidade de honrar”, diz o MPF.

O governo do estado disse que não foi notificado da decisão e que irá recorrer à Justiça Federal.

Flash Yala Sena (Com informações do MPF)

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais