29.9 C
Piauí
6 de fevereiro de 2023
Cidades em Foco
DestaqueGeral

Lagoa do Barro, Jacobina, Patos e mais 49 municípios do Piauí podem liberar máscara após decisão do COE

Cidade de Lagoa do Barro do Piauí - Foto: Cidades em Foco
Um total de 52 municípios do Piauí estão aptos a liberarem o uso de máscara em locais fechados, ou seja 23,2% dos 224 municípios, segundo dados do painel da Covid-19, da Secretaria de Estado de Saúde (Sesapi). Nesta terça-feira (12), o Comitê de Operações Emergenciais contra a Covid -19 (COE), do Governo do Piauí, liberou o uso de máscara em ambientes fechados nos municípios com percentual mínimo de 60% da população vacinada com a dose de reforço.
O professor Emídio Matos, conselheiro de Saúde do COE, afirmou que a decisão para a liberação foi tomada após ser analisado o cenário mundial e local em relação a doença.
“Mostramos cada território do Piauí, mostrando que em relação a casos e a óbitos, de fato nós estamos diminuindo de maneira continuada e sustentada, e isso acompanha a vacinação da população. A partir daí discutimos tornar facultativo o uso de máscara, a decisão foi de que um percentual acima de 60% é seguro. Os dados da literatura mostram que a população com dose de reforço, está mais protegida contra a infecção da variante Ômicron, contra adoecimento grave e o óbito, então estamos condicionando a 60%”, explicou.
O percentual também foi escolhido com base em um estudo realizada na cidade de Serrana, no estado de São Paulo, em maio de 2021, onde foi comprovada a eficiência da vacina na população, principalmente com a dose de reforço.
“Existem algumas experiências no Brasil, como em Serrana em São Paulo, onde fizeram um estudo de vacinação em massa com Coronavac e eles perceberam que quando atingiram 60%, com dose de reforço, não só a população da cidade, como do entorno ficou mais protegida. Então esse é o ideal”, afirmou o professor.
Emídio Matos explicou que o COE também vai preparar um plano de contingência, caso novos surtos da doença possam surgir.
“Propomos também na reunião um planejamento de contingência para que a gente esteja preparado para surtos eventuais, que possam aparecer pelo estado, de município a município, e que tenhamos um plano de contingência muito bem desenhado para isso, considerando a covid longa, as sequelas dela e considerando a saúde mental da população”, destacou.
Municípios que estão aptos a liberarem a máscara em locais fechados:
  1. Colônia do Piauí – 101,47%
  2. Campo Grande do Piauí – 88,38%
  3. Canavieira- 87,99%
  4. Lagoa do Barro do Piauí – 84,58%
  5. São Raimundo Nonato – 81,11%
  6. Buriti dos Lopes – 78,56%
  7. Jatobá do Piauí – 78,18%
  8. Dom Inocêncio – 74,57%
  9. São João da Varjota- 74,34%
  10. Tanque do Piauí – 70,66%
  11. Aroeiras do Itaim – 70,42%
  12. Olho D’Água do Piauí – 69,52%
  13. Nova Santa Rita – 68,86%
  14. João Costa -68,84%
  15. Capitão Gervásio Oliveira -68,87%
  16. Jacobina do Piauí -68,37%
  17. Monsenhor Hipólito -67,55%
  18. Jurema -67,36%
  19. Júlio Borges -66,95%
  20. Beneditinos – 66,87%
  21. Pajeú do Piauí -65,84%
  22. Francisco Ayres- 65,39%
  23. Santa Cruz do Piauí- 65,08%
  24. São Félix do Piauí- 64,91%
  25. São Braz do Piauí- 64,73%
  26. Pio IX- 64,47%
  27. Barra D’Alcântara- 64,43%
  28. Amarante- 64,14%
  29. Socorro do Piauí- 63,97%
  30. Cajazeiras do Piauí- 63,96%
  31. Nossa Senhora de Nazaré- 63,14%
  32. Flores do Piauí -62,73%
  33. Oeiras- 62,7%
  34. Fartura do Piauí- 62,65%
  35. Palmeirais- 62,43%
  36. Patos do Piauí- 62,08%
  37. Jardim Mulato- 61,57%
  38. Angical do Piauí- 61,51%
  39. Campinas do Piauí- 61,45%
  40. Elesbão Veloso- 61,37%
  41. São Luís do Piauí- 61,29%
  42. Nossa Senhora dos Remédios- 61,13%
  43. Rio Grande do Piauí – 61,11%
  44. Agricolândia- 60,96%
  45. Cabeceiras do Piauí- 60,72%
  46. Hugo Napoleão- 60,69%
  47. Sussuapara- 60,37%
  48. Campo Alegre do Fidalgo- 60,35%
  49. Ipiranga do Piauí- 60,32%
  50. Jerumenha- 60,26%
  51. Manoel Emídio- 60,15%
  52. Santo Antônio de Lisboa- 60,08%

Cidades que já liberaram 

De acordo com a análise realizada pelo grupo pesquisa da Universidade Federal do Piauí, o estado tem 11 cidades que já liberaram o uso de máscara em locais fechados, mas apenas duas atingiram esse percentual mínimo de 60%.

Os municípios de São Raimundo Nonato, com 81,11%, e Oeiras, com 62,7%, são as únicas cidades que já liberaram e que atingiram o percentual estabelecido pelo COE.

Outras 9 cidades, entre elas Teresina, que está com 49,95%, não atingiram o percentual, mas já liberaram. Isso porque, os municípios possuem autonomia para disciplinar sobre as medidas sanitárias.

O professor Emídio Matos afirmou que manter esse percentual estabelecido é importante para evitar que novos surtos da doença apareçam.

“Ainda tem vírus circulando, mas se uma pessoa não estiver com o ciclo completo de vacinação, pode se infectar gravemente e transmitir para outras pessoas. A gente aprendeu que depois de 4 a 5 meses, a proteção da vacina reduz bastante, então o risco é não conseguir eliminar e quebrar o ciclo de transmissão do vírus. Que é o que a gente enxerga para o mundo, porque tem países da África por exemplo, como o Haiti, que na última vez que eu olhei, tinha vacinado menos de 1% da população. Ou vacina de maneira homogênea, ou não vai quebrar o ciclo de transmissão, e vamos ter surtos aparecendo em determinadas regiões e locais”, destacou.

Municípios que liberaram x taxa da dose de reforço:

  1. São Raimundo Nonato – 81,11%
  2. Oeiras – 62,7%
  3. Uruçuí – 57,76%
  4. Campo Maior – 55,32%
  5. Picos – 54,65%
  6. Bom Jesus – 54,41%
  7. Piripiri – 54,04
  8. Floriano – 53,54%
  9. Teresina – 49,95%
  10. Parnaíba – 40,27%
  11. Valença – 34,86%
Cidades longe do percentual
De acordo com dados do painel Covid-19, alguns municípios estão longe de atingirem os 60%, como é o caso de Curral Novo do Piauí, onde aparece em último lugar, com 22,86% da população com a dose de reforço da vacina.
Para Emídio Matos, é importante nesse momento que os gestores atuem de forma efetiva, para facilitar o acesso da população a vacinação.
“Algumas cidades apresentam dificuldades tanto de vacinação em si, quanto de registro dessas vacinações. Como dificuldade de equipamentos, acesso à internet, de profissionais capacitados, então é um cenário complexo. O que estamos propondo é que os gestores façam um esforço, para melhorar as condições de acesso da população, pois não adianta ter vacina disponível, se a população não tem acesso”, afirmou.
Fonte: Bárbara Rodrigues / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais