Lulismo sustenta candidaturas aos governos no Nordeste

Não é só o candidato à presidência pelo PT, Fernando Haddad, que está se alimentando no banquete do lulismo no Nordeste. Também os candidatos ao governo dos estados da região seguem a mesma linha. Dos nove estados nordestinos, em oito os líderes das pesquisas abraçam o nome de Lula como uma tábua de salvação. A exceção é o candidato ao governo de Sergipe, Valadares Filho (PSB), que enfrenta o governador-tampão Belivaldo Chagas (PSD), aliado do PT.

O levantamento foi feito pelo BLOG levando em conta as pesquisas mais recentes divulgadas em cada estado. São oito pesquisas do IBOPE e uma do Instituto OPINAR – nesse caso, a pesquisa para o governo do Piauí. Desse leque de sondagens, só uma delas é do mês de agosto: a que avalia a intenção de voto para o governo do Ceará. Lá, a última pesquisa divulgada pelo IBOPE foi no dia 16 de agosto (uma nova está programada para a próxima segunda-feira). As demais são desta semana.

No caso do Ceará, a situação é muito folgada: Camilo Santana (PT) tem a maior vantagem sobre a concorrência. Em agosto, ele registrou 64% de intenção de voto, contra apenas 4% do segundo colocado. Não é em todo estado que essa situação se repete, mas os aliados de Lula têm uma boa folga na maior parte. Quanto aos partidos, o PT lidera em quatro estados (além do Ceará, tem o Piauí, Rio Grande do Norte e Bahia). No Maranhão o líder é o mais antigo aliado dos petistas, o PCdoB, através de Flávio Dino.

Os aliados de Lula lideram em Alagoas através do MDB de Renan Calheiros Filho. Em Pernambuco e Paraíba essa liderança chega através do PSB, o mesmo partido que em Sergipe tira a unanimidade dos lulistas. Mas é lá onde há a menor distância entre os concorrentes: na prática, há um empate técnico, quase absoluto.

Uma região de esquerda? Nem tanto

As últimas pesquisas de intenção de voto têm mostrado caminhos diversos entre o Sul e o Nordeste. Nos estados sulistas, lideram partidos mais à direita. No Nordeste, as siglas estão mais à esquerda. Mas essa leitura ideológica deve ser vista com um certo cuidado. Nem sempre é o que parece.

Entre os “esquerdistas” que lideram no Nordeste está Renan Calheiros Filho (MDB), que disputa o governo fazendo dobradinha com o pai, o senador Renan Calheiros. Para ficar mais evidente a ideologia dos Renan, o senador foi líder do governo Fernando Collor. E também foi base no início do governo Michel Temer.

Além disso, as alianças juntam partidos que, em tese, não têm nenhuma afinidade ideológica. Isso pode ser encontrado em todos os estados. Em Sergipe, por exemplo, o PT está com Belivaldo Chagas, do PSD, um partido claramente de direita. E no Piauí o PT de Wellington Dias tem como principal aliado o PP de Ciro Nogueira.

Fonte:CidadeVerde