23.5 C
Piauí
18 de abril de 2021
Cidades em Foco
Geral Política

Mãe é indiciada como coautora de assassinato da advogada Izadora Mourão

Foto: Reprodução/Facebook

A Polícia Civil concluiu nesta terça-feira (23) o inquérito que investiga a morte da advogada Izadora Mourão, assassinada a facadas dentro da própria residência no último dia 13 de fevereiro, no município de Pedro II.

De acordo com o coordenador do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), delegado Francisco Costa, o Baretta, foram indiciados pela autoria do crime o irmão da vítima, João Paulo Mourão, e a mãe, Maria Nerci. Os dois devem responder por homicídio triplamente qualificado.

A mãe de Izadora ainda deve responder pelos crimes de coação no curso no processo e fraude processual. Ela teria tentado intimidar testemunhas e alterado a cena do crime.

Ainda de acordo com a Polícia, as investigações apontaram Maria Nerci como coautora do crime, que teria sido premeditado com antecedência.

“Eles foram indiciados por homicídio triplamente qualificado, coação no curso do processo e fraude processual. A mãe na coautoria. Conseguimos provar que ela esta estava na cena do crime. Esse crime nós podemos dizer que, além de premeditado, foi devidamente planejado”, disse o delegado Baretta ao Cidadeverde.com

Ainda de acordo com o delegado, o inquérito será enviado ainda hoje para a justiça de Pedro II e caberá ao Ministério Público apresentar um eventual pedido de prisão contra a mãe de Izadora Mourão.

“Agora, estamos encaminhando ao juiz que deverá abrir vistas ao Ministério Público para a sua manifestação, que é o dono da ação penal”, destacou o delegado.

Relembre o caso

A advogada Izadora Mourão foi morta a facadas no dia 13 de fevereiro, em sua residência no município de Pedro II. O crime chocou o município, gerando grande repercussão.

Dois dias após o assassinato, o irmão da advogada, João Paulo Mourão, foi preso apontado como principal suspeito de ter cometido o crime

As investigações do caso foram conduzidas pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), através do delegado Danúbio Dias.

Fonte: Natanael Souza / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais