25.3 C
Piauí
5 de dezembro de 2019
Cidades em Foco
Geral Política

Margarete diz que pacote anticrime endurece progressão de regime e saidinhas

A coordenadora do grupo de trabalho que analisou o pacote anticrime, deputada federal Margarete Coelho (PP-PI), afirmou nesta terça-feira (19) que a proposta endurece a legislação em muitos aspectos, dentre eles, a progressão de regime e as polêmicas “saidinhas”. O relatório final que será votado na Câmara Federal foi entregue esta manhã ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), pelo presidente da Casa, deputado Rodrigo Maia (DEM/RJ), e por nove parlamentares integrantes do grupo de trabalho criado para analisar as propostas de atualização da lei penal no Brasil.

Segundo a parlamentar piauiense, o grupo ouviu a sociedade, técnicos e especialistas para fechar “um trabalho maduro que possa tramitar no plenário e ser aprovado para trazer uma resposta rápida à sociedade”. Segundo ela, a proposta, entre outras medidas, pretende endurecer a legislação para a concessão de progressão de regime e de “saidinhas”.

Após a reunião, Maia afirmou que tentará votar a urgência para o pacote anticrime organizado já na semana que vem e, se houver acordo, o mérito da proposta no plenário da Câmara. O ministro parabenizou o resultado do trabalho que, após nove meses, reuniu em um único texto 90% do conteúdo proposto pela comissão de juristas presidida por ele e 75% do Projeto de Lei 882/2019, encaminhado pelo ministro da Justiça, Sérgio Moro, que resultou nos PLs 10372/2018 e 10373/2018.

Agora o conteúdo das três propostas tramitará conjuntamente no Congresso Nacional. “Os projetos não vão reduzir a criminalidade de uma hora para outra, mas vão mudar a mentalidade de combate ao crime organizado”, afirmou o ministro.

Varas regionalizadas

Segundo o ministro Alexandre de Moraes, a proposta prevê a criação de varas regionalizadas e colegiadas de combate ao crime organizado, de forma a preservar a segurança dos magistrados envolvidos no julgamento desses criminosos. Essas varas deverão ser interligadas eletronicamente para a troca de informações de inteligência e, futuramente, integrarão uma rede judiciária de combate ao crime organizado ligada ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O ministro explicou que o objetivo da proposta é focar no combate aos crimes violentos, que envolvem tráfico de drogas e armas por organizações criminosas, e tratar de forma mais rápida e menos burocrática a resolução de crimes leves, com a aplicação da transação penal. Na sua avaliação, deve-se priorizar o uso de recursos de inteligência, pessoal e material para o combate ao crime organizado, que responde por até 65% dos homicídios registrados no país. “Vamos atacar o que realmente hoje amedronta a população. Essa é a grande virtude dos projetos aprovados pelo grupo de trabalho encaminhados para votação na Câmara”, enfatizou.

Processo legislativo

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, informou que o relator do pacote anticrime será escolhido após a aprovação da urgência para a tramitação da matéria no plenário da Câmara.

Participantes

Também participaram da reunião o relator do texto final, deputado Capitão Augusto (PL/SP), e os deputados Fábio Trad (PSD/MS), Agnaldo Ribeiro (PP/PB), Marcelo Freixo (PSOL/RJ), Subtenente Gonzaga (PDT/MG), Lafayette de Andrada (Republicanos/MG), Orlando Silva (PCdoB/SP) e João Campos (Republicanos/GO).

Com informações do STF

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais