24.1 C
Piauí
9 de julho de 2020
Cidades em Foco
Destaque Geral Piauí

Metereologia prevê seca mais dura no Piauí e governo aumenta carros-pipa

O departamento de meteorologia confirmou à Defesa Civil do Estado que as chuvas no Piauí vão reduzir em 30% devido ao fenômeno climático El Niño. Com isso, a seca prevista para 2016 será mais dura que a deste ano. A informação foi confirmada pelo secretário da Defesa Civil, Hélio Isaias, na tarde desta terça-feira (15). O gestor disse que, diante destes números, vai aumentar o abastecimento de carros-pipa para as zonas urbana e rural. Segundo ele, são 770 veículos em operação no Estado, o que representa um aumento de 50% em relação ao ano passado.

O Exército atende 69 cidades na zona rural, já a Defesa Civil está atendendo 50 cidades e todas na zona urbana com 500 veículos. Segundo o gestor, há dez barragens no Estado em situação crítica, entre elas, Petrônio Portela (São Raimundo Nonato), Estreito (Padre Marcos), Piaus (São Julião), Algodões II (Curimatá) e o Açude Joana em Pedro II.

“Ainda não há registro de racionamento, mas estamos reduzindo atendimento das barragens e dando suporte com carros-pipa onde há possibilidade de logistica”, disse.

Segundo Isaias, há locais em que o deslocamento chega a 100km em busca de água para abastecer os carros-pipa. Sem chuva e prestes a entrar no quinto ano consecutivo de Seca, o Piauí aguarda a liberação de R$ 60 milhões para suportar os efeitos da estiagem em 2016.

“Precisamos R$ 60 milhões para melhorar algumas situações como adutoras de engate rápido aonde as cidades estão desabastecidas de mananciais, além de perfurações de poços”, disse o secretário da Defesa Civil, deputado estadual Hélio Isaias.

Segundo ele, atualmente 165 municípios do Piauí estão em estado de emergência. “Temos 224 municípios e só 60 a 70 estão com o abastecimento de água universalizado tanto na zona rural como urbana. Temos muito a avançar”, diz o gestor.

Barragens como a de Petrônio Portela em São Raimundo Nonato e a de Algodões II em Curimatá estão praticamente vazias. “Os reservatórios que abastecem esses municípios estão há cinco anos sem repor o volume de água. A barragem Petrônio Portela, por exemplo, que abastece a região de São Raimundo Nonato, possui 181 milhões de m³ de água e hoje tem 11 mil m³ de água, ou seja, apenas 6% de sua capacidade. O açude Joana em Pedro II está com sua capacidade reduzida para 15%. Pio IX, Padre Marcos, São Julião também estão com muita dificuldade. Em Curimatá, a barragem de Algodões está com volume muito baixo”, relata o secretário.

Para Hélio Isaias, a seca deixou de ser exclusiva da região Nordeste e, no caso do Piauí, não atinge mais apenas o semiárido. “Estamos realmente entrando no quinto ano consecutivo de muita seca no Estado. Antigamente a gente falava em seca só na região Nordeste e hoje tem no Sul e Sudeste. Antes era só no semiárido, nós já temos o Piauí com  dificuldade na região Norte. Falava apenas em zona rural e algumas cidades estão com muita dificuldade na zona urbana no abastecimento de água”, finaliza.

 

Cidade Verde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais