31.1 C
Piauí
28 de fevereiro de 2020
Cidades em Foco
Geral Polícia

Militares da reserva já podem retornar à ativa; governo estima 500 vagas no Piauí

Os policiais e bombeiros militares da reserva remunerada que quiserem retornar ao serviço ativo, já podem aderir. A lei que prevê a convocação foi sancionada pelo governador Wellington Dias. O governo estima 500 vagas no estado. O efetivo formado irá atuar na guarda de edifícios públicos como Assembleia Legislativa do Piauí (Alepi), Tribunal de Justiça, Procuradoria Geral de Justiça, Defensoria Pública e Tribunal de Contas do Estado (TCE).

Segundo estabelece a lei, de número 7.339, de 17 de janeiro deste ano, o militar que aceitar voltar à ativa ficará vinculado ao órgão que prestará o serviço. Ele precisa ter menos de 65 anos de idade até o dia da convocação e não estar submetido a inquérito policial, comum ou militar, ou processo por crime doloso com pena máxima de reclusão superior a 2 anos. O policial também não pode ter sido punido nos dois últimos anos de serviço ativo, bem como se encontrar exercendo cargo, função ou emprego público.

A convocação pode ser suspensa a qualquer tempo a pedido do militar. Retornando ao trabalho, ele terá direito a indenização por retorno a atividade, uniformes, diárias, auxílio-alimentação e férias. “A indenização pelo retorno não constituirá base de cálculo para quaisquer vantagens, inclusive as decorrentes de tempo de serviço, e não será passível de incorporação”, diz trecho da lei.

Além de prédios públicos, o comandante da Polícia Militar do Piauí, coronel Lindomar Castilho, disse que os militares também poderão atuar em presídios.

“Como se trata de uma convocação voluntária, nós estamos abrindo agora a possibilidade de o militar se apresentar. Estamos estimando em mais de 500 vagas. Além dos prédios, teremos vagas para as penitenciárias e presídios de forma geral”, disse.

Ainda de acordo com o comandante, não há prazo final para que os policiais se apresentem. “A lei está em vigor, enquanto a lei estiver em vigor não tem prazo final”, afirmou.

Os PMs que estão atualmente atuando nos prédios públicos retornarão às suas atividades junto à corporação. “Esse é o nosso objetivo”, destacou o comandante.

Fonte: Hérlon Moraes / CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais