27.2 C
Piauí
22 de setembro de 2019
Cidades em Foco
Geral Política

Ministros de Bolsonaro se opõem a liberar o plantio da maconha no país

O ministro da Cidadania, Osmar Terra (MDB), voltou a criticar, nesta sexta-feira, 16, o presidente da Anvisa, o ex-deputado federal William Dib, por proposta sobre o plantio de cannabis para produção de medicamentos e pesquisa. Em entrevista à CBN, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, também disse se opor à medida.

“Acho que esse presidente não está servindo aos interesses da saúde pública”, afirmou Terra em evento no Palácio do Planalto. No entanto, o titular do Ministério da Cidadania disse não ter responsabilidade por eventual substituição de chefe da agência. “Isso tem de ser perguntado ao ministro da Saúde (Luiz Henrique Mandetta)”.

O governo Bolsonaro é contra a proposta da Anvisa para plantio de cannabis, mas defende facilitar a importação de produtos à base de canabidiol, uma das substâncias da planta da maconha.

O presidente da Anvisa, Dib, é o relator da proposta. As críticas do governo fizeram subir as apostas de que ele seria retirado da chefia para a entrada do contra-almirante Antonio Barra Torres, recém-nomeado diretor da autarquia.

Em junho, a Anvisa abriu uma consulta pública sobre o tema, que se encerra em 19 de agosto. O próximo passo é votar na diretoria colegiada, formada por cinco membros, uma proposta consolidada para liberar o plantio de maconha no Brasil para fins medicinais Dib promete encerrar a discussão até outubro. Além do plantio, a Anvisa sugere o registro simplificado de medicamentos à base de cannabis.

Casa Civil

Em entrevista à rádio CBN, nesta sexta, 16, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, reforçou a posição do Planalto contrária ao plantio. “O que tem de ser feito rapidamente é retirar toda essa burocracia, retirar carga de imposto. O País tem de tornar ágil a chegada do remédio”, disse.

O ministro, porém, não afirmou como o governo deve agir para desburocratizar a importação. Disse que antes espera a discussão na Anvisa se encerrar.

Para Lorenzoni, a produção no Brasil pode ser feita com insumos farmacêuticos sintéticos, ou seja, sem trazer a planta da maconha. O discurso é diferente daquele dito pela Casa Civil em junho, ao site Jota, quando a pasta defendeu a importação da planta para a fabricação de remédios no País.

Segundo Lorenzoni, “algumas pessoas” levaram até ele a proposta de trabalhar com o Hemp, uma variedade da maconha que possui baixo teor de THC, substância psicoativa. O ministro disse que estas alternativas ainda estão em segundo plano. “Toda a condução que vamos dar na consulta da Anvisa, e depois no ministério, é para facilitar a chegada do remédio no Brasil”, declarou.

A Anvisa propõe a plantação de cannabis em uma espécie de bunker, fortemente vigiado, protegido por portas duplas. Apenas empresas poderiam entrar no negócio e os antecedentes criminais dos sócios seriam analisados.

As regras sugeridas pela Anvisa foram consideradas restritivas por associações de pacientes e empresas menores. Ainda assim, o ministro Osmar Terra já declarou em entrevistas que os diretores da Anvisa trabalham, na verdade, pela liberação recreativa das drogas.

Lorenzoni não citou diretores da agência em entrevista à CBN, mas disse que o governo não pode abrir portas ao plantio no Brasil. O ministro aproveitou para afirmar que “certas autoridades que comandaram o Brasil” tiveram “olhar generoso” para a entrada do crack no País, segundo ele, fornecido pela guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

Fonte: Estadão

Notícias relacionadas

Concursos com inscrições abertas abrem 16,4 mil vagas; veja editais

Junior Oliveira

Bolsonaro diz que prisão de Temer é resultado de acordos políticos

Junior Oliveira

Vereadora critica projeto do Tribunal de Justiça que extingue cinco comarcas da região de Picos

Junior Oliveira

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais