24.2 C
Piauí
25 de junho de 2022
Cidades em Foco
Geral Piauí

Moradores denunciam falta de água há quatro dias em cidade do interior do Piauí

Os moradores de Corrente denunciam que estão há quatro dias sem o abastecimento de água na cidade. Eles relatam que muitas casas já estão quase zerando o estoque armazenado em caixas d´águas e aproveitam a chuva para captar água em baldes, na tentativa de driblar o desabastecimento. A previsão é de que o abastecimento da água em todo município seja normalizado até domingo (09).

Hoje Corrente possui cerca de 30 mil habitantes. O Cidadeverde.com apurou que somente os bairros abastecimentos com poços artesanais possuem água nas torneiras; os demais estão sem água.

O fornecimento de água na cidade é feito a partir da captação da água do Rio Corrente pela Agespisa. Os moradores relatam que a Estação de Tratamento de Água (ETA) precisa ser modernizada para melhor atender a população, principalmente no período chuvoso, pois há mais acúmulo de água no rio. Eles acrecentam que os equipamentos “não dão conta de fazer o tratamento com maior rapidez” e, por isso, a água distribuida chega nas torneiras “barrenta”.

A moradora Norma Lemos comenta a situação: “a minha caixa já secou. Consegui encher dois baldes de água da chuva para tentar usar. A água que vem da rua está desde segunda-feira sem. Quando chove a água já começa a vir barrenta. Tem 15 anos que moro aqui, e não é diferente. Depois vem o problema da dengue porque ou a gente ‘junta água’ para usar ou corre o risco de ficar na ‘secura'”.

Retorno

A Agespisa informa que desde às 8 horas desta sexta-feira (07) retomou parte do abastecimento de água em Corrente. “Cerca de 40% da cidade está sendo abastecida. A regularização está ocorrendo de forma gradativa. A previsão é de que neste final de semana, o funcionamento do sistema volte a 100% de sua capacidade”, diz.

A empresa explica que o abastecimento estava completamente suspenso desde terça-feira (04) devido ao transbordamento do Rio Corrente, que danificou equipamentos da casa de bombas do sistema de captação.

“Por conta da alto nível de turbidez do Rio Corrente, o processo de captação e tratamento da água fica mais lento e difícil, já que uma grande carga de sedimentos e detritos foram arrastados pelas chuvas para o leito do rio. A ETA leva mais tempo para tratar a água nessas condições”.

Ouvidoria da Agespisa – 0800 086 8888

Fonte: CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais