33.1 C
Piauí
21 de junho de 2021
Cidades em Foco
Geral Política

MP apura suspeitas de ‘supersalários’ e outras irregularidades na Câmara de Teresina

Imagem ilustrativa - Foto: Alepi/Thiago Amaral

O Ministério Público do Piauí ( MP-PI) informou que instaurou, na quarta-feira (12), procedimento investigatório preliminar para apurar possíveis irregularidades na administração da Câmara Municipal de Teresina (CMT). Procurada pelo G1, a CMT comunicou que ainda não foi notificada da ação.

A ação foi instaurada pela 42ª Promotoria de Justiça de Teresina, do Núcleo de Defesa do Patrimônio Público e da Probidade Administrativa, que tem como titular o promotor de Justiça Francisco de Jesus Lima.

Segundo o MP, a investigação foi iniciada “considerando publicações realizadas em redes sociais”.

“As informações divulgadas apontam para a existência de práticas incompatíveis com os princípios constitucionais: acúmulo indevido de cargos públicos pelos servidores do Legislativo municipal, quantidade excessiva de cargos comissionados e pagamento de ‘supersalários’, entre outras”, informou o órgão em nota.

O procedimento é um preparatório de auditoria fiscal orçamentária e de pessoal na Câmara Municipal. O levantamento deverá abranger os últimos cinco anos, segundo o MP.

Alepi também é investigada

O Ministério Público do Piauí instaurou um procedimento para investigar supostas irregularidades envolvendo servidores da Assembleia Legislativa do Estado (Alepi).

Procurada pelo G1, a Alepi ficou de se posicionar sobre o assunto posteriormente.

Em nota, o Ministério Público informou que, no ano de 2019, ajuizou uma ação civil para que a Assembleia disponibilizasse informações à sociedade sobre gastos públicos no Portal da Transparência. O pedido foi reiterado no ano passado, e ainda foi determinada a manifestação da Alepi.

Além disso, em 2012, o MP entrou com uma ação impedindo que a Assembleia preenchesse os 2.355 cargos em comissão criados naquele ano e de efetuar o pagamento da verba de gabinete no valor de R$ 80 mil aos deputados estaduais. Este procedimento, conforme o órgão, ainda aguarda apreciação do poder judiciário.

A Ordem dos Advogados do Brasil Secção Piauí (OAB-PI) enviou um ofício nesta quinta-feira (15) solicitando que, além do MP, o Tribunal de Contas do Estado (TCE) também investigue as denúncias de irregularidades, tais como a acumulação de cargos nos órgãos públicos e carga horária dos servidores.

Fonte: G1-PI

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais