22.7 C
Piauí
9 de agosto de 2022
Cidades em Foco
GeralSaúde

Não há interesse em baratear a cannabis medicinal, diz presidente da associação

Foto: Folhapress

Presidente da Associação Cannabis Medicinal do Piauí (ACMP), o engenheiro agrônomo Pedro Alencar afirmou, em entrevista ao Cidadeverde.com. que as dificuldades para o cultivo, produção e extração artesanal da substância são oriundos não apenas pelo fato do assunto ainda ser considerado um tabu, mas por “interesse” da indústria farmacêutica.

“As pessoas que controlam hoje o uso dessa substância tem interesse que ele não fique barato e continue caro. São as mesmas forças que proibiram e continuam proibindo, só tem interesse em liberar os remédios isolados produzidos pelos laboratórios controlados pelos governos. É tudo uma questão de interesse”, declarou o pesquisador.

Pedro Alencar explica que a cannabis medicinal com autorização para comercialização em farmácias sob prescrição médica é inacessível para grande parte da população. Isso porque 100 ml da substância, em grande parte importada, chega a custar até R$ 3 mil. “Pessoas de baixa renda não conseguem ter acesso ao remédio”, pontua Alencar.

O assunto será tema de um curso online, promovido pela Associação Cannabis Medicinal das Gerais (ACMG) em parceria com a ACMP. Ao todo, 11 expositores, incluindo o presidente da entidade piauiense, discutirão as técnicas para o processo de produção da cannabis medicinal, desde o plantio até a extração do óleo.

“Conseguimos desenvolver um processo que transforma facilmente o óleo em creme, com grande segurança. Fizemos estudos clínicos e existem vários médicos que estão acompanhando. É isso o que queremos, que as pessoas conheçam essa forma simples de fazer o remédio e possam fazer em suas casas”, destacou o engenheiro agrônomo.

Imagem: Divulgação

Etapas para autorização e produção

Além da apresentação de todas as etapas do desenvolvimento da planta e como transformá-la em remédio, usado em tratamentos de insônia, ansiedade, estresse, mal de parkinson, alzheimer, paralisia cerebral, fibromialgia, câncer e outras tantas,  o curso também dará orientações em como conseguir autorização para o plantio e produção da cannabis medicinal.

“Após a prescrição, é preciso uma autorização da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] para poder comprar. Você comprova que não tem condições de comprar, tendo em vista que é muito caro, e pede para o médico prescrever o óleo artesanal. Após isso, é preciso um advogado solicitar um habeas corpus solicitando autorização para o cultivo”, esclarece Alencar.

Breno Moreno
redacao@cidadeverde.com

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais