35.3 C
Piauí
27 de julho de 2021
Cidades em Foco
Geral Polícia

“Não mataram só ela, mas toda família” diz irmã de professora morta em faculdade no Piauí

“Não mataram só ela, mas toda a família”. Esse é o desabafo da enfermeira Andreia Macedo, irmã da professora Adriana Macedo Borges dos Santos que morreu com um tiro na cabeça em uma faculdade no município de Corrente ( a 874 km de Teresina). O crime ocorreu em setembro de 2009, mas o julgamento irá acontecer nesta quarta-feira (23), quase 10 anos após o crime.

“Na verdade, não mataram só a Adriana, mas toda a família. Meu pai teve um infarto fulminante. Chorava todos os dias olhando pra um banner que mandou fazer com a foto da minha irmã. Minha mãe também não é a mesma pessoa e passou a depender da gente pra tudo, pois não tem mais condições de ficar sozinha. A Adriana só tinha 24 anos e teve todos os sonhos interrompidos, inclusive o de ser mãe”, desabafa a irmã.

(Foto: arquivo pessoal)

O crime teve grande repercussão na época. O acusado de ter efetuado o disparo é Arnaldo Alves Messias, que lecionava na mesma faculdade da vítima com quem manteve um relacionamento de quatro anos. O crime teria sido motivado por ciúmes e pelo término do namoro.

Em entrevista recente ao Cidadeverde.com, o advogado de Arnaldo defendeu que o tiro foi acidental e que não houve intenção de matar a mulher. Ele descartou ainda a participação do irmão de Arnaldo que também é acusado de participação no crime.

Contudo, a família de Adriana acredita que o crime foi premeditado. Além de professor, Arnaldo Messias é advogado e primo do prefeito de Cristalândia.

“Eles já não estavam namorando há cerca de quatro meses. Minha irmã foi à faculdade acreditando que ia assinar uns documentos e se deparou com ele [Arnaldo] e o irmão dele que a segurou pelo braço. Ele [Arnaldo] atirou na Adriana e depois deu um tiro de raspão nele mesmo para tentar fugir. O tiro não foi acidental”, acredita a irmã.

Ao Cidadeverde.com, ela destaca o sofrimento da família e a esperança de que “o crime não ficará impune”.

“Isso deles estarem em liberdade, dói mais ainda. Não é fácil! desde quando foi marcado o julgamento, nosso sofrimento só aumentou, mas é uma dor que temos que passar. Já estamos nos preparando psicologicamente para isso. Primeiramente, temos fé em Deus e acreditamos que será feita Justiça aqui na terra. A Adriana não volta, mas se eles forem condenados e presos, vamos conseguir dormir”, desabafa Andreia Macedo.

Ela não confirma que a irmã sofria agressões físicas e psicológicas, mas que Adriana teria revelado a outros familiares “que vivia assustada e amedrontada”.

(Foto: Roberta Aline/ Cidadeverde.com)

“A gente conhecia ele como uma pessoa de poucas palavras. Ele mandava mensagens ameaçadoras, mas ela nunca falava para a família. Contudo, amigas contaram que ela queria terminar, mas tinha medo, por isso, sequer registrou o caso na delegacia e dizia que preferia morrer a ficar com o Arnaldo. Existem dois lados; mas só uma verdade”, desabafa a irmã.

O júri popular está marcado para a quarta-feira (23) no Fórum da Comarca de Corrente, às 9h.

Fonte: CidadeVerde

Notícias relacionadas

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se você está de acordo, continue navegando, aqui você está seguro, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceitar Leia mais